O ministro-chefe do gabinete de Segurança Institucional, Jorge Armando Félix, afirmou na reunião da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Cartões Corporativos que todos os gastos cuja divulgação possa facilitar a identificação de rotinas e processos adotados pela Presidência da República devem ser considerados sigilosos. Após detalhar aos parlamentares os procedimentos adotados por sua pasta, o ministro declarou que não é possível estabelecer uma norma geral que classifique cada tipo de gasto como sigiloso.

"Devem ser considerados sigilosos todos os gastos que podem contribuir para reduzir o grau de segurança que buscamos alcançar. Se teremos que exagerar, que seja pelo excesso de cuidado", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.