Federação recomenda a carteiros acatar proposta salarial

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Correios (Fentect) está orientando os sindicatos da categoria a aprovarem a proposta apresentada ontem pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) de um reajuste salarial de 9%, com validade por dois anos. A informação é da Assessoria de Imprensa da federação.

Agência Estado |

A expectativa da ECT é a de que os funcionários, em greve desde a noite de terça-feira, aprovem a proposta e voltem ao trabalho amanhã.

A proposta será avaliada em assembleias dos sindicatos da categoria no País durante o dia de hoje. A reunião que será realizada em Brasília está marcada para as 15 horas. A ECT afirma que a adesão à greve, hoje, está em 27%. Segundo a assessoria de imprensa da estatal, não há, mesmo com a paralisação, nenhuma carga retida nos centros de distribuição dos Correios. Mas os serviços de entrega de encomendas com hora marcada (Sedex 10, Sedex Hoje e Disque Coleta) continuam suspensos até o fim da greve.

A ECT propôs também um acréscimo de R$ 100 ao piso salarial da categoria, que é de R$ 640. O acréscimo começaria a ser pago, de acordo com a proposta, em janeiro de 2010. Os Correios se dispõem ainda a aumentar o vale-alimentação de R$ 20 para R$ 21,50 neste ano e para R$ 23 no próximo ano e a conceder um vale-alimentação extra nos meses de dezembro deste ano e de 2010.

Ontem, o diretor de Recursos Humanos da ECT, Pedro Magalhães, disse que a empresa se compromete a não descontar dos servidores os dias parados, caso a greve seja encerrada hoje. A concessão dos benefícios propostos, se forem aceitos, terá um impacto anual de R$ 729 milhões na folha de pagamento da ECT, que é de R$ 5,5 bilhões.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG