Fazendeiro é condenado a 30 anos de prisão no caso Dorothy

RIO (Reuters) - O fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, acusado de ser o mandante da morte da missionária norte-americana Dorothy Stang, foi condenado a 30 anos de prisão. Essa foi a terceira vez que o fazendeiro, conhecido como Bida, foi submetido a júri popular. Na primeira vez, ele foi condenado e na segunda, absolvido, mas o Tribunal do Júri de Belém anulou a sentença em julgamento de recurso de apelação movido pelo Ministério Público. A sentença foi dada na noite de segunda-feira pelo juiz Raimundo Moisés Flexa, da 2ª Vara do tribunal. O fazendeiro foi condenado por homicídio duplamente qualificado. Vitalmiro teve a pensa agravada pelo fato de a vítima ser pessoa idosa, segundo site do Tribunal de Justiça do Pará. A tese defendida pela acusação foi de homicídio duplamente qualificado, praticado com promessa de recompensa, motivo torpe e uso de meios que impossibilitaram a defesa da vítima, acrescentou.

Reuters |

A irmã Dorothy foi assassinada em 2005, aos 73 anos, com seis tiros em um assentamento em Anapu, no Pará.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG