Fãs de outros Estados acompanham shows da Virada

Há quem não se importe de enfrentar horas de viagem e gastar com transporte e hospedagem para conferir a programação da Virada Cultural em São Paulo. Apesar da pouca idade, o mineiro João Barbosa, de 18 anos, é tão fascinado pela banda Mutantes que arrastou o pai, Wellington, de 56, para a Virada paulistana.

Agência Estado |

Juntos, os dois gastaram cerca de R$ 800 em passagens de avião de Belo Horizonte a São Paulo e hotel no centro da cidade. "Não quero nem saber. Coloquei tudo no cartão de crédito", diz o pai.

Para garantir lugar na primeira fila, eles chegaram ontem ao Palco São João por volta das 17 horas e, de lá, só sairiam às 6 horas para assistir a Pepeu Gomes no Teatro Municipal. "Pena que não dá para ver tudo", diz João, que, de brinde, ganhou um abraço do guitarrista dos Mutantes, Sérgio Dias, durante o ensaio da banda.

Do Paraná, a estudante Andressa Chimelli, de 21 anos, fez um bate-e-volta exclusivamente para ver Gal Costa. Pegou um ônibus em Curitiba e chegou a São Paulo no sábado de manhã. "Volto para casa amanhã (domingo) de manhã. Mas valeu a pena. É difícil a Gal ir a Curitiba. Então não dá para perder uma oportunidade dessas", disse.

O economista Aquiles Munarim, de 24 anos, pegou um avião em Florianópolis, acompanhado da namorada e mais cinco integrantes de sua banda de rock progressivo - os Eletrolíticos - para acompanhar as apresentações do Rock República. Para garantir o melhor lugar, na primeira fila do palco montado na Praça da República, chegou ao local às 16 horas. "Não vou ter outro momento para ver tantos shows bons concentrados em um só lugar. Então, gastar R$ 500 (para ele e a namorada) valeu muito a pena", disse. Hospedado na região do centro, Munarim volta amanhã para Santa Catarina, após uma maratona de oito shows seguidos.

A artesã Sandra Vieira, de 30 anos, saiu de Caraguatatuba, no litoral norte, em comitiva com mais cinco amigos, apenas para acompanhar as apresentações de rock na Praça da República, no centro. "Viemos para fazer um bate-volta, apenas para ver a apresentação da banda Casa das Máquinas, com um antigo vocalista do Iron Maiden", confessou. Para garantir um bom lugar perto do palco, chegaram todos às 14 horas ao local.

    Leia tudo sobre: virada cultural

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG