Família de Michael pode pedir nova autópsia, diz reverendo Jesse Jackson

Los Angeles (EUA), 27 jun (EFE).- O reverendo Jesse Jackson, amigo da família do cantor americano Michael Jackson, disse que esta está irritada com a quantidade de dúvidas em torno da morte do artista e que, por isso, pode pedir uma segunda autópsia.

EFE |

O reverendo e ativista político passou a sexta-feira ao lado dos familiares do músico na casa que eles têm em Encino, na Califórnia.

O religioso foi ao local consolar e prestar apoio aos Jackson, declarou o próprio ao programa de TV "Good Morning America", da rede "ABC".

Jesse disse que a família do cantor está triste e frustrada com o ocorrido e com todas as dúvidas que pairam sobre o caso.

O reverendo também frisou que todas as atenções estão voltadas para o papel que o médico pessoal de Michael, Conrad Murray, pode ter desempenhado na morte do "rei do pop".

O fato de Murray, que testemunhou a morte do cantor, estar em paradeiro desconhecido e não ter saído a público para esclarecer o ocorrido só fez levantar suspeitas.

"Qualquer outro médico teria dito 'Aqui está o que aconteceu na última hora de sua vida e eu estava lá. Dei-lhe alguns remédios'", afirmou Jesse, para quem Murray deve uma explicação à família e aos fãs do artista.

Perguntado sobre a possibilidade de a família Jackson pedir uma segunda autópsia, o reverendo disse que isso "é provável".

"Tenho certeza que deveriam fazê-lo", afirmou.

Michael morreu quinta-feira, ao 50 anos, após sofrer um parada cardíaca em sua casa, no bairro nobre de Bel Air.

Ontem, as autoridades fizeram a autópsia do corpo, cujos resultados não foram conclusivos.

A Polícia, que falou com Murray no dia morte de Michael, quer voltar a interrogar este médico e mais outro, Tohme Tohme, que parece estar indiretamente relacionado ao ocorrido. EFE fmx/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG