A família do jornalista iraquiano que lançou seus sapatos contra George W. Bush vai ocupar um parque de Bagdá até sua libertação, anunciou neste sábado à AFP Durgham, um irmão de Mountazer al-Zaïdi, indicando igualmente que o jornalista estava em bom estado de saúde.

"Continuaremos lá até sua libertação, mesmo que os militares tentem nos tirar de lá", declarou Durgham, 32 anos, um dos cinco irmãos de Mountazer al-Zaïdi.

Durgham também indicou que Mountazer al-Zaïdi tinha conseguido falar com sua família da prisão na "zona verde", o setor ultraprotegido de Bagdá, e que ele disse estar em boa saúde.

"Meu irmão Oudaï conseguiu falar com ele por telefone. Ele está bem de saúde e não está com o braço quebrado. Ele só está com o olho roxo", declarou Durgham, contrariamente ao que sua família pensava desde que ele foi detido.

Durgham al-Zaïdi afirmou segunda-feira que seu irmão tinha sido internado com um braço e costelas quebradas depois de apanhar dos agentes dos serviços iraquianos de segurança.

Dhiya al-Kenani, o juiz de instrução encarregado da investigação sobre a atitude de Mountazer al-Zaïdi, afirmou em contrapartida à AFP quinta-feira que o jornalista, de 29 anos, funcionário do canal al-Bagdadia estava em boa saúde e estava sendo bem tratado.

Ele está sendo acusado de "agressão contra um chefe de Estado estrangeiro durante visita oficial" e segundo o artigo 223 do código penal iraquiano, ele pode ser condenado a pena de entre 5 e 15 anos de prisão, se o qualificativo de "agressão caracterizada" for retido. Mas o tribunal pode considerar que se trata de uma tentativa de agressão, punida somente com pena de entre 1 e 5 anos de prisão.

O juiz de instrução indicou que a investigação terminaria neste sábado ou domingo, e que o caso seria em seguida transferido a três juízes.

Estes últimos devem estudar o caso durante dois dias antes de reenviá-lo para a Alta corte criminal que deve ficar uma data de processos.

kat/sk/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.