SÃO PAULO - Cerca de 200 moradores da comunidade Vila Reis, na zona leste de São Paulo, realizaram na madrugada de ontem um protesto contra a morte de Sérgio dos Santos, de 38 anos, encontrado enforcado dentro de uma cela do 63º DP (Vila Jacuí), após ser preso sob a acusação de tráfico de drogas. A Secretaria de Segurança Pública alega que Santos cometeu suicídio, mas parentes e amigos contestam a versão.

Durante a manifestação, uma pessoa ficou ferida, um ônibus foi incendiado. Por volta da meia-noite, os manifestantes atacaram os veículos da Viação Vip Transportes, que estavam estacionados no ponto final, na Avenida Maria Santana.

AE
Durante protesto, manifestantes queimaram um ônibus

De acordo com o delegado Elton Richard Krull, do 63º DP, dois homens numa moto e um grupo de adolescentes a pé abordaram o cobrador de um dos coletivos, anunciaram o ataque e atearam fogo no carro. O fogo se alastrou por uma árvore, atingiu a guarita do ponto e uma casa.

O grupo ainda montou uma barricada, com lixo e entulho, na via. Por volta de 2h30, policiais foram acionados para conter a manifestação. Na ação, um rapaz de 17 anos foi atingido por um tiro na perna e encaminhado para o Hospital Municipal Tide Setúbal.

Segundo Krull, uma denúncia anônima levou a polícia até Santos, preso na terça passada. Em poder dele foram encontrados cinco pinos de cocaína e, no interior da casa, mais 21 pinos e R$ 270. A irmã de Santos acusa os policiais de armarem o flagrante.

A família questiona como ele conseguiu entrar na cela com um cadarço, uma vez que os pertences do preso são entregues aos familiares. A Secretaria diz que o delegado Elton Richard Krull e o carcereiro encontraram Sérgio enforcado na porta da cela e cortaram o cadarço para prestar socorro. Ele já estava morto.

A corregedoria vai investigar o que houve na cela e o IML deve divulgar laudo em até 30 dias. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: protesto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.