Falta material para diagnóstico de câncer na Europa

Hospitais europeus enfrentam escassez de um importante isótopo radioativo usado em diagnósticos de câncer e outros procedimentos médicos, disse um grupo de indústrias. A falta desses materiais pode significar um corte de até 30% nas entregas de molibdênio-99 na Europa, e pode durar até seis semanas, segundo estimativa da Association of Imaging Producers & Equipment Suppliers (AIPES).

Agência Estado |

Em outros casos, hospitais podem não ter escolha a não ser racionar os exames.

O isótopo decai para tecnécio-99 e é usado para a detecção de tumores, avaliações cardíacas, tomografias cerebrais e outros procedimentos.

A Associação Européia de Medicina Nuclear, representando os médicos, anunciou na quinta-feira, que estava aconselhando hospitais a adiarem exames pouco urgentes, e a usarem substitutos para o isótopo quando possível.

A escassez vem depois que dois dos poucos reatores que produzem isótopos no mundo - um na Holanda e outro na Bélgica - terem sido fechados para reparos e manutenção. Praticamente todos os materiais para diagnósticos médicos são feitos por esses dois reatores.

Um porta-voz do reator holandês, que produz um terço do isótopo do mundo, disse que não reiniciará as operações antes de outubro. "Estamos trabalhando duro para entender a causa de anormalidades no sistema de resfriamento, que levaram ao fechamento da unidade no mês passado", disse.

AP/AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG