Falta de viga pode ter prejudicado Rodoanel, diz Crea-SP

A colocação de apenas quatro das cinco vigas de sustentação da estrutura do Rodoanel Mário Covas foi apontada como uma provável hipótese da causa do desabamento sob a Rodovia Régis Bittencourt, na sexta-feira. A afirmação foi feita hoje pelo presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de São Paulo (Crea-SP), José Tadeu da Silva.

Agência Estado |

Três pessoas ficaram feridas no acidente.

Segundo o presidente, que também é engenheiro civil, em cerca de 15 dias, um laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) pode comprovar o que houve. "Esse tipo de estrutura exige que se coloque as cinco vigas simultaneamente. Colocar quatro, sem avaliar as consequências, pode ter sido o erro ou a falha na construção da estrutura", explicou Silva. O Crea-SP é o órgão que tem obrigação de fiscalizar e, neste caso, apontar as causas do acidente.

"O Rodoanel tem mais de duas mil peças iguais as essas, por isso, é provável que a falha tenha sido na colocação e não na peça pré-moldada." Uma das cinco vigas quebrou quando estava sendo levada para o local, e resultou na colocação de apenas quatro. "Vamos apurar também quem deu a ordem de colocar apenas quatro, quando o recomendável são cinco."

Silva ressalta que o projeto determina - o que já foi feito em todo o Rodoanel - que se coloque três vigas na sustentação central e duas nas laterais. "Quando você fica sem uma dessas peças de 85 toneladas cada, o efeito pode ser a desestabilização." Outro ponto importante ressaltado pelo engenheiro civil é que as vigas têm de ser instaladas juntas; depois deve ser colocada a peça que será a pista de rolagem e, no final, é feita uma espécie de amarração com cabos de aço. "Essas etapas têm de seguir essa ordem e a amarração impede que haja deslocamento. Se não se obedece todas as etapas, há risco de falhas e acidentes."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG