Um folheto distribuído pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) em Marsilac, na região sul de São Paulo, alerta que, além da hepatite A, da diarreia e da febre tifoide, doenças como cólera, giárdia e salmonelose podem ser transmitidas pela água sem tratamento. As doenças causadas pela falta de saneamento básico são responsáveis por 65% das internações no Sistema Único de Saúde (SUS), afirma o infectologista Artur Timerman, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

A maioria dessas doenças é causada por micro-organismos eliminados pelo intestino. O corpo, como defesa, expulsa boa parte dos agentes causadores de doenças pelas fezes. Se o esgoto não é recolhido e tratado, volta ao ambiente e contamina outra pessoa, perpetuando o ciclo da doença. A diarreia provocada por saneamento inadequado mata sete crianças com idades de 1 a 5 anos por dia no Brasil, segundo dados da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Por ano, são mais de 2,5 mil.

O elo fraco da falta de saneamento é a criança, diz Timerman. A ausência de saneamento interfere até na aprendizagem. Problemas relacionados a doenças transmitidas pela água são responsáveis por 34% das faltas de crianças a creches e salas de aula.

As crianças sofrem mais, mas o problema não escolhe idade, raça ou condição social, diz Timerman. Segundo ele, Ilhabela, refúgio de paulistanos abastados no litoral norte, tem só 3% do esgoto tratado. Costumo brincar que o camarão e a lagosta, pratos associados a pessoas de alto nível social, são um grande democratizador da falta de saneamento do País. Quando pescados numa praia onde há despejo de esgoto in natura, o risco de eles serem o vetor de um vírus ou bactéria é grande.

Fossas

Em Marsilac, riscos como os descritos por Timerman tornam-se mais graves por causa das fossas negras e poços rasos e bicas de onde os moradores tiram água para beber. A fossa negra é um buraco, normalmente de 3 a 5 metros de profundidade, onde são despejados os dejetos da cozinha e do banheiro. Ela raramente tem algum revestimento, o que faz o material sólido e líquido penetrar diretamente no solo.

Uma saída para regiões distantes da rede coletora, como Marsilac, é recorrer a fossas sépticas com sumidouro. Nesse sistema, há uma decantação do material sólido e o líquido é vazado para outro recipiente com fundo vedado e furos laterais. Assim, o líquido é absorvido pelo solo de maneira horizontal, facilitando a filtragem natural. Segundo a associação presidida por Maria Lucia, das cerca de 3 mil pessoas da área central do distrito, 97,55% usam a fossa negra. As 2,45% restantes não têm nem fossa, deixam seu esgoto correr a céu aberto.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.