Falha de bomba em usina agravou cheia do Tietê

Uma bomba do sistema da usina elevatória de Traição não funcionou hoje e foi o maior problema no Rio Pinheiros, que comprometeu 25% da capacidade de bombeamento e piorou ainda mais a capacidade de escoamento das águas do Rio Tietê, na capital paulista. A informação é da Secretaria Estadual de Saneamento e Energia (SSE), em comunicado divulgado esta tarde em conjunto com o Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee) e a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae).

Agência Estado |

A secretaria informa que há estudos para a instalação de duas bombas adicionais.

Devido à chuva forte e persistente desde a madrugada, o Rio Tietê transbordou hoje de manhã na cidade de São Paulo pela segunda vez desde que foi concluído o aprofundamento da calha do rio, em 2006. O último transbordamento foi em 8 de setembro deste ano. A água invadiu as pistas da Marginal Tietê e bloqueou a via em vários trechos.

Inaugurada em 1940, a usina elevatória de Traição tem como objetivo reverter o curso das águas dos rios Tietê e Pinheiros. Do ponto de vista energético, a reversão do rio tem como propósito manter volumes d' água nos reservatórios do Rio das Pedras e Billings suficientes para garantir a geração na Usina Henry Borden. A operação do sistema de reversão do Rio Pinheiros só é acionada justamente para o controle das enchentes.

De acordo com a SSE, os radares registraram chuva de intensidade média de 84 milímetros na Bacia do Alto Tietê, que corresponde a dois terços de toda a chuva prevista para o mês de dezembro. O órgão estadual atribui a esse volume excessivo de chuvas no Alto Tietê a origem dos pontos de inundação. Em média o Rio Tietê subiu 7 metros e o Rio Pinheiros, 4 metros.

O Daee afirmou no comunicado que executa periodicamente o desassoreamento e a limpeza dos rios Tietê, Cabuçu de Cima, Tamanduateí e dos piscinões do ABC e Pirajuçara e que só neste ano já foram retirados 380 mil metros cúbicos de sedimentos. A Emae disse que, por sua vez, retira 200 mil metros cúbicos de sedimentos e assoreamento, além de 2,8 mil toneladas de lixo por ano do Rio Pinheiros. A nota da SSE conclui que é necessário lembrar a população de que é preciso colaborar, não jogando lixo nas ruas, córregos e rios.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG