Faculdade de Ribeirão Preto inicia pesquisa sobre saúde perinatal

A Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo (USP) vai realizar, a partir de outubro, pesquisa sobre a saúde perinatal - período imediatamente anterior e posterior ao parto. A ideia do estudo é entender as razões do aumento de nascimentos prematuros e suas consequências no desenvolvimento infantil.

Agência Estado |

O coordenador da pesquisa será Marco Antonio Barbieri, do Departamento de Pediatria e Puericultura da FMRP. O estudo vai ser feito com um grupo de 14 mil crianças: sete mil em Ribeirão Preto e mais 7 mil em São Luís, no Maranhão.

A primeira parte da pesquisa vai investigar hipóteses neuroendócrinas e imunoinflamatórias que levam a partos prematuros. Dentro das hipóteses endócrinas, uma é o estresse associado à liberação de hormônios, combinação apontada como potencial causadora de prematuridade. O uso de drogas, álcool e tabaco também será apurado como possível causa. Nas hipóteses imunoinflamatórias, os pesquisadores vão estudar infecções maternas que seriam potencializadores da prematuridade.

Na segunda parte, o estudo se propõe a estabelecer o impacto de um nascimento prematuro e outras condições de nascimento no desenvolvimento da criança, como resistência à insulina, alterações neurológicas e comportamentais, fatores de riscos para alergia e chiado e alterações da saúde bucal. Os resultados serão comparados com os obtidos nos estudos do grupo de Barbieri nos últimos 30 anos, em coortes (estudo de grupo de pessoas seguidos por um período determinado de tempo) de nascimentos ocorridos em 1978, 1979 e 1994. As informações são da Agência USP de Notícias.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG