FAB nega ter entregado relatório sobre caças a Jobim

SÃO PAULO (Reuters) - A Força Aérea Brasileira negou, em comunicado nesta terça-feira, ter apresentado seu relatório sobre a concorrência para a compra de 36 caças ao Ministério da Defesa, mas reconheceu que a análise já foi concluída. A FAB, no entanto, não fez menção a uma suposta preferência pelas aeronaves suecas na disputa, conforme publicou a edição desta terça-feira do jornal Folha de S.Paulo.

Reuters |

Segundo o jornal, o relatório sobre a concorrência, conhecida como projeto F-X2, entregue ao ministro Nelson Jobim, apontava preferência dos militares pelo caça Gripen NG da sueca Saab. O F-18 da norte-americana Boeing ficava em segundo lugar, e o Rafale, da francesa Dessault Aviation, em terceiro.

"O Comando da Aeronáutica, por meio da Comissão Gerencial do Projeto F-X2, encerrou o relatório final de análise técnica das aeronaves concorrentes e destaca que, até o presente momento, não o encaminhou ao Ministério da Defesa", afirmou a FAB em comunicado.

Procurado pela Reuters, o Ministério da Defesa disse não ter informações sobre o recebimento do relatório, sem fazer mais comentários.

PARCERIA ESTRATÉGICA

Em Paris, o governo da França não quis comentar a notícia, declarando: "Estamos serenos".

Uma fonte próxima ao Ministério da Defesa da França descreveu o artigo na Folha como "rumor". E acrescentou que "além da questão industrial, o Rafale implica ainda uma parceria estratégica entre a França e o Brasil".

"Não há nenhuma comparação a fazer entre os dois aparelhos (o Gripen e o Rafale)", disse essa mesma fonte. "Eles não têm as mesmas características técnicas nem as mesmas funções".

A escolha de novos caças para substituir a frota atual da FAB, que especialistas classificam de obsoleta, vem se arrastando desde o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que, no último ano de seu mandato, em 2002, decidiu deixar a decisão sobre a compra para Lula, seu sucessor.

Inicialmente, Lula cancelou o projeto, então conhecido como F-X, mas em maio de 2008 foi criado o projeto F-X2 e, em novembro do mesmo ano, selecionados como finalistas o Rafale, o Gripen NG e o F18 Super Hornet.

Nem a FAB nem as empresas concorrentes divulgam valores, mas uma fonte do governo francês chegou a afirmar que a proposta francesa era de 5 bilhões de euros. O Rafale é apontado por especialistas como a opção mais cara entre os três concorrentes.

O cronograma inicial do F-X2 previa o anúncio da escolha do novo caça em outubro do ano passado, mas uma decisão final sobre o assunto, que cabe ao presidente Lula, vem sendo adiada desde então.

(Por Eduardo Simões; Reportagem adicional de Elizabeth Pineau e Yann Leguernigou em Paris)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG