Extradição por terrorismo está na pauta de 2009 do STF

BRASÍLIA - Quase todas as semanas, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) têm de julgar pedidos de governos estrangeiros para que o Brasil entregue acusados de cometer crimes no exterior que optaram por viver por aqui. De 2000 até hoje, deram entrada no tribunal 466 processos de extradição.

Agência Estado |

Depois de retornar das férias de verão, em fevereiro do ano que vem, os integrantes do Supremo terão de enfrentar os temas terrorismo e crime político, que são bastante delicados para países como o Brasil, que foram governados por ditaduras, e agora debatem a anistia.

Além dos pedidos de extradição que discutem o terrorismo, o STF terá de se posicionar especificamente sobre uma ação movida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) contestando a aplicação da Lei da Anistia para beneficiar policiais e militares que praticaram crimes como torturas, assassinatos e desaparecimentos forçados.

Com 77 pedidos de extradição, a Itália é a campeã, seguida pela Alemanha, com 73 solicitações, e por Portugal, com 49. A lista de acusações é bem variada. Há suspeitos de abusar de menores, de praticar terrorismo e de dar golpes. Os pedidos absurdos, contrários, por exemplo, a mulheres que não usaram o véu exigido em países islâmicos, são recusados na origem por órgãos do governo brasileiro.

Da lista de processos de extradição que poderão ser julgados em 2009 pelo tribunal, os mais complexos envolvem o italiano Cesare Battisti, ex-militante do movimento extremista de esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), e o militar uruguaio Manuel Juan Cordeiro Piacentini, acusado de ter participado da Operação Condor, articulação das ditaduras do Cone Sul na perseguição a opositores dos regimes da época. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: extradição

    Leia tudo sobre: extradição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG