Ex-secretário diz que esquema de corrupção no Distrito Federal teve início em 2002

Brasília - Se as denúncias apresentadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal Durval Barbosa ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios forem verdadeiras, o esquema de corrupção revelado pela Polícia Federal (PF) na Operação Caixa de Pandora está em funcionamento desde 2002.

Agência Brasil |

De acordo com Barbosa, o então deputado federal José Roberto Arruda (DEM) buscava apoio político e financeiro para lançar-se candidato ao governo do Distrito Federal em 2006. Barbosa disse aos promotores de Justiça Sérgio Bruno Cabral Fernandes e Clayton da Silva Germano que Arruda comandava a cobrança de propina de empresas privadas que prestam serviços ao governo do DF.

Segundo Barbosa, em 2002, Arruda já teria escolhido "alguns nichos do governo para administrar os seus negócios. Ele citou entre os órgãos e empresas públicas onde o então deputado tinha influência a Companhia Energética de Brasília (CEB), o Instituto Candango de Solidariedade (ICS), o Metrô e o Banco de Brasília (BRB). Arruda teria também influência na Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), que Barbosa presidia na época.

Conforme a denúncia, Arruda valia-se de sua influência para negociar os contratos de terceirização com o então secretário de Planejamento, José Luiz Vieira Naves. Uma das supostas negociações ilícitas denunciadas envolve a empresa Notabilis, pertencente ao assessor de comunicação e homem de confiança de Arruda, Omézio Pontes, a seu irmão Orlando Pontes e a um filho de Arruda, Marcos Sant´Ana Arruda.

Arruda, ainda deputado federal, teria pedido a Barbosa que contratasse a Notabilis. Notas fiscais comprovam que, entre dezembro de 2003 e julho de 2006, a Codeplan pagou R$ 723 mil à empresa. Em dezembro de 2005, próximo à posse de Arruda, Omézio e Marcos deixaram a sociedade na empresa, que passou a ser controlada por Orlando e um novo sócio, Milton Dias Guimarães.

No depoimento, Barbosa menciona propinas pagas pelos empresários José Celso Gontijo, da Construtora JC Gontijo, e Cristina Boner, do ramo de informática, que teria doado R$ 1 milhão à campanha de Arruda, entre outros. O ex-secretário diz que Arruda pediu aos responsáveis pelas principais empresas de informática no DF que investissem em sua campanha, prometendo a eles retorno financeiro. A Poliedro, a B2Br, a Conecta, a Linkdata, a Prodata e a Politec teriam ajustado a doação de R$ 1 milhão cada.

De acordo com Barbosa, todas as despesas da campanha foram pagas com dinheiro entregue irregularmente por empresas que aceitavam o pedágio para serem contratadas pelo governo. Para mostrar como o esquema funcionava, Barbosa entregou ao Ministério Público documentos indicando que, além de financiar parte dos gastos de campanha, a Codeplan custeou o governo de transição. Ele disse que foram desviados da companhia R$ 57,7 milhões entre 2004 e setembro de 2006.

Segundo Barbosa, outra parte dos recursos arrecadados pagava pelo apoio político de deputados distritais e de líderes de partidos como o PRP, o PP e o PTC. Com a vitória de Arruda, os políticos continuaram recebendo quantias mensais para manter  seu apoio. Também teriam participação no esquema representantes do PMDB e do PSDB. O ex-secretário entregou aos promotores 30 fitas com imagens gravadas por ele mesmo enquanto negociava ou distribuía dinheiro entre os parlamentares.

A cada 15 dias, Arruda recebia o dinheiro coletado por sua equipe, prossegue Barbosa, que teria sido encarregado pelo governador de entregar quantias mensais a um grupo de deputados distritais Leonardo Prudente (DEM), R$ 50 mil; Eurides Brito (PMDB), R$ 30 mil; Junior Brunelli (PSC), R$ 30 mil; e Benício Tavares (PMDB), R$ 30 mil. Também recebiam dinheiro o ex-deputado Odilon Aires (R$ 30 mil mensais) e o ex-chefe de gabinete do governador Fábio Simão (R$ 30 mil).

Escândalo no Distrito Federal

Entenda

Inquérito da PF

Vídeos

Leia também:

Crise de 2001

    Leia tudo sobre: arrudabrasiliacorrupção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG