medidas moralizadoras - Brasil - iG" /

Ex-secretário de Saúde atribui denúncias a medidas moralizadoras

Citado no inquérito da Polícia Federal como beneficiário de supostas propinas, o ex-secretário de Saúde do GDF e deputado federal pelo PPS, Augusto Carvalho, afirma, por meio de nota divulgada nesta terça-feira, que as denúncias seriam represália a medidas moralizadoras que alega ter tomado durante sua gestão à frente da Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

iG Brasília |


"Não recebi, em qualquer momento, recursos de origem ilícita. Também não autorizei quem quer que fosse a fazê-lo em meu nome. Esta é a verdade!", escreve o parlamentar, acrescentando ter tomado medidas saneadoras em relação a contrato de uma empresa prestadora de serviço, que apresentaria "valores acima dos praticados pelo mercado".

De acordo com as investigações da Operação Caixa de Pandora, o presidente local do PPS e secretário-adjunto de Saúde, Fernando Antunes, recolheria o dinheiro para Carvalho. Antunes também nega as denúncias.

Carvalho qualifica o depoimento do ex-secretário de Relações institucionais, Durval Barbosa, que colaborou com as
investigações policiais, de totalmente falso e diz que entrará com ação na Justiça contra "os que injuriam".

Meu passado e meu presente públicos, em defesa dos interesses da população, me obrigam a buscar a reparação na esfera judicial dos que injuriam, denunciando fatos que jamais ocorreram.

O deputado foi afastado da Secretaria de Saúde pelo governador José Roberto Arruda, também envolvido nas denúncias. Mas, no comunicado, diz que o pedido de exoneração "decorre de decisão tomada por meu partido" e da "convicção política de que as irregularidades supostamente praticadas por ocupantes de cargos públicos no Governo do Distrito Federal precisam ser minuciosamente apuradas".

Escândalo no Distrito Federal

Entenda

Inquérito da PF

Vídeos

Leia também:

Crise de 2001

    Leia tudo sobre: arrudadistrito federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG