Ex-mateiro aponta novo local de ossadas no Araguaia

O ex-mateiro do Exército José Maria Alves da Silva, o “Zé Catingueiro”, de 72 anos, informou ontem ao grupo da expedição de busca de restos mortais da Guerrilha do Araguaia (1972-1975) um novo local usado pelos militares para enterrar corpos de comunistas: a localidade de Tabocão, em São Domingos, no Pará. E confirmou o uso de outra área, já conhecida: Manezinho das Duas (ou Caçador).

Agência Estado |

Segundo ele, o corpo do ex-deputado e chefe da Guerrilha do Araguaia, Maurício Grabois, foi levado para a Clareira do Cabo Rosa, em Brejo Grande, depois do combate do Natal de 1973.

Para o dirigente do PC do B Aldo Arantes, que integra a expedição, o Ministério da Defesa precisa ouvir oficiais que participaram da terceira e última campanha contra a guerrilha, para marcar os pontos para as escavações. “É indispensável que sejam ouvidos os militares. Só eles sabem onde foram sepultados os guerrilheiros.” Catingueiro disse que participou do combate em que morreu Nelson Lima Piauhy Dourado, o Nelito, em janeiro 1974. Confirmou, ainda, que as guerrilheiras Dinalva Teixeira, a Dina, e Maria Luiza Garlippe, a Tuca, foram capturadas com vida.

Em Caçador, disse, teriam sido enterrados André Grabois, o Zé Carlos, filho de Maurício; Antônio Alfredo de Lima, o Alfredo; e João Gualberto Calatroni, o Zebão. Os três foram mortos em outubro de 1973. A expedição esteve ontem em dois locais da antiga Fazenda Oito Barracas, onde morreu a guerrilheira Helenira Rezende, a Helenira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG