Ex-jogador diz que não premeditou morte da mulher, segundo a polícia

SÃO PAULO ¿ O ex-jogador de futebol Janken Evangelista, de 28 anos, que teria confessado à polícia que matou a ex-mulher Ana Cláudia Melo e Silva, disse que não premeditou o crime. As informações são da Polícia Civil da Bahia, que também informou que ele será transferido para São Paulo, onde ocorreu a morte, na tarde desta quinta-feira. Na sexta-feira, ele deve ser indiciado por homicídio e por ter fugido com o filho.

Redação |

Os delegados Bernardino Brito Filho e José Nélis Júnior, da polícia baiana, apresentaram Janken nesta manhã e contaram sobre seu primeiro depoimento. De acordo com os delegados, ele disse que o crime foi motivado por ciúmes.

Pelos relatos de familiares, o casal e o filho teriam ido a um jogo de futebol no Pacaembu na noite da morte da mulher. No seu depoimento, Janken disse que, quando eles chegaram ao apartamento, Ana recebeu uma ligação de outro jogador de futebol e ele ficou com ciúmes. Ele teria, então, ameaçado levar o filho e ela teria entrado em luta corporal com ela.

O filho do casal não teria assistido à morte, segundo Evangelista, porque se encontrava no quarto. Depois de constatar a morte de Ana, o suspeito teria pegado o filho e fugido para a Bahia em um táxi. O corpo da mulher foi encontrado por vizinhos, em um apartamento em São Paulo, com marcas de facadas.

Evangelista foi preso nesta quarta-feira, na cidade de Teixeira de Freitas, no sul da Bahia. Ele foi detido com um ferimento no rosto e em uma das mãos, que segundo a polícia, são da luta corporal com Ana. Quando apresentado à imprensa, ele preferiu não dar declarações e disse que só falará acompanhado de seu advogado, em São Paulo.

AE

Janken foi preso nesta quarta-feira em Teixeira de Freitas

Sobre o futuro do filho do casal, os delegados informaram que ele está com a avó paterna, mas a família de Ana tem a guarda da criança.

Indícios

Para a polícia, o fato de Evangelista ter entrado com uma camiseta e saído com outra do prédio da ex-mulher, no dia da morte, era o mais forte indício de sua participação no assassinato. A camiseta foi encontrada na terça-feira, com manchas de sangue, no estacionamento de um supermercado próximo ao apartamento de Ana Cláudia.

A troca de camiseta foi comprovada por imagens das câmeras de segurança do prédio onde o corpo foi encontrado. As imagens também mostram ele saindo do local com o filho.

Assista à reportagem em vídeo:

Leia também:

Leia mais sobre crimes

    Leia tudo sobre: mortamortesão paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG