JOHANESBURGO (Reuters) - Uma ex-inspetora de dormitório acusada de cometer abusos na academia para meninas da apresentadora de TV americana Oprah Winfrey na África do Sul declarou na terça-feira que é inocente. Virginia Mokgobo, 27 anos, presa em novembro e libertada sob fiança, enfrenta acusações de agressão, assédio, abuso verbal e pedir a uma menor de idade que cometesse atos indecentes. Ela compareceu à corte de magistrados de Sebokeng, perto de Johanesburgo.

'Ela se declarou inocente de todas as acusações', disse o promotor Etienne Venter.

Os depoimentos de seis menores de idade serão ouvidos em sala reservada, e a mídia será autorizada a entrar no tribunal na sexta-feira.

'A razão disse é que as meninas têm medo de serem vistas', afirmou Venter.

Oprah Winfrey, filantropa bilionária que já revelou que ela própria sofreu abuso sexual quando criança, descreveu as acusações à inspetora de sua escola como uma das experiências mais devastadoras de sua vida.

A Academia de Liderança para Meninas Oprah Winfrey foi aberta em janeiro de 2007, ao custo de 40 milhões de dólares.

Em março do ano passado, alguns pais se queixaram das regras rígidas da escola e das restrições às visitas e contatos por telefone e e-mail, comparando-as às normas de uma prisão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.