Executivo da Alstom indicou destino de propina em SP

Investigações na França e na Suíça sobre o pagamento de propina pela Alstom para obtenção de contratos com o governo de São Paulo e estatais paulistas mostram que o suborno teria como destino o ¿partido no poder¿ em São Paulo em 1997 - o PSDB -, além do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e a Secretaria de Estado de Energia. Um memorando escrito a mão, com data de 23 de setembro de 1997 e assinado por um executivo da multinacional francesa em Paris, foi a base para a descoberta da suposta rede de propinas envolvendo negócios no Brasil.

Agência Estado |

Esse comunicado era endereçado a um gerente sênior de exportação em Paris, segundo o Wall Street Journal , e tinha como objetivo liberar pagamento de comissões a uma pessoa chamada Cláudio Mendes. Ele, segundo outro comunicado escrito por Bernard Metz, executivo da Alstom, era íntimo do então governador de São Paulo, Mário Covas, e podia agilizar as negociações. Metz escreveu que, em troca de uma comissão de 7,5% do valor do contrato, Mendes poderia obter apoio do PSDB, da Secretaria de Energia e até do TCE, que posteriormente analisaria a legalidade dos contratos.

Os promotores europeus dizem que entre 1998 e 2003 a Alstom utilizou serviços de Mendes como principal canal para os supostos pagamentos de propinas no Brasil. Esse homem teria recebido vários milhões de dólares para intermediar negócios na América do Sul e na Ásia por meio de uma rede de agentes pagos por contratos de consultoria de fachada.

A rede, segundo o WSJ , teria repassado a Mendes pelo menos US$ 5 milhões. No dia 30 de maio, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que seis empresas offshore, duas controladas por brasileiros, teriam sido utilizadas para, supostamente, repassar propinas a políticos paulistas entre 1998 e 2001. Os pagamentos somam pelo menos R$ 13,5 milhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

operação
operação

    Leia tudo sobre: alston

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG