Anjos e Demônios - Brasil - iG" /

Ewan McGregor será vilão na adaptação de Anjos e Demônios

ROMA ¿ O ator escocês Ewan McGregor fará parte do elenco de Anjos e Demônios, baseado no livro homônimo de Dan Brown, autor do best-seller O Código Da Vinci.

Agência Ansa |

McGregor será o vilão da história, o camerlengo (cardeal que desempenha as funções do papa, interinamente, e governa a Igreja católica entre a morte de um pontífice e a eleição do seu sucessor) Carlo Ventresca, que guarda um perigoso segredo.

"Anjos e Demônios" terá como protagonista o ator Tom Hanks, que interpretará novamente o professor de simbologia Robert Langdon, já visto na adaptação para o cinema de "O Código Da Vinci", em 2006.

Dessa vez, Langdon tentará resolver o enigma por trás do assassinato do cientista Leonardo Vetra, com a ajuda de sua filha, Vittoria Vetra, interpretada pela atriz israelense Ayelet Zurer, de "Munique" (2005).

Juntos, descobrem um complô ligado a uma antiga seita, os Illuminati, e durante o conclave papal, que deverá eleger o novo Papa, devem salvar o Vaticano de uma explosão.

As filmagens tiveram início há uma semana em Roma e o filme, que será dirigido por Ron Howard, tem estréia prevista para o próximo ano.

Serão feitas em Roma somente as cenas externas, já que o Vaticano não permitiu as filmagens no interior de lugares abordados na história. Assim, o interior de igrejas e do Vaticano será reconstruído nos estúdios da Columbia Pictures em Los Angeles.

Antes de iniciar as filmagens em Roma, McGregor encontrou tempo para subir novamente em sua moto com o amigo Charley Boorman e realizar o sonho de viajar da Escócia até o extremo sul da África.

Três anos depois de dar a volta ao mundo indo da Escócia à Sibéria, a dupla fez uma nova viagem, dessa vez para o sul, partindo de seu país em direção à Cidade do Cabo, na África do Sul, lugar em que chegaram após 85 dias.

Batizado de "Long Way Down", o projeto do ator virou um programa de televisão, que mostra as etapas da viagem.

"A África é um continente muito complexo e de uma beleza envolvente. Foi importante visitá-la desse modo, levávamos conosco somente aquilo que conseguimos colocar na moto: o absolutamente necessário, a barraca, um pouco de comida, combustível e uma vaga idéia de onde estávamos indo. Há algo de profundamente libertador nisso", disse McGregor. 

"As visitas à Unicef foram a parte mais emocionante da viagem, porque você se vê cara a cara com as condições de vida duríssimas e extremas da população e das crianças", disse o ator.

"Não me senti em nenhum momento realmente em perigo. Nada mais distante das grandes adversidades que algumas pessoas temiam na partida. Sempre encontrei interesse ou uma oferta de ajuda", acrescentou.

Leia mais sobre: Ewan McGregor

    Leia tudo sobre: ewan mcgregor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG