Evolução do alerta da gripe suína não muda ações do Brasil, diz Opas

O Brasil não precisa tomar medidas adicionais com a mudança do nível de alerta de pandemia de gripe suína de quatro para cinco. De acordo com o coordenador da área de enfermidades infecciosas da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que representa a Organização Mundial de Saúde nas Américas, Rubén Figueiroa, como nenhum caso foi constado no País, as medidas que já vêm sendo tomadas são suficientes. ¿As recomendações para o Brasil não mudam devido à elevação da fase quatro para cinco¿, disse.

Severino Motta |


Rubén citou que somente a continuidade de ações já em vigência são suficientes. Entre elas, a vigilância em vôos e outras embarcações que chegam de áreas de risco, a manutenção do plano de contingência, (que o Brasil já possui, tendo destacados hospitais de referência, quartos isolados e treinamento de pessoal), além do fortalecimento da rede de laboratórios e de vigilância epidemiológica nos Estados brasileiros.

Sobre os riscos de evolução da doença pelo mundo, Rubén disse que as pandemias acontecem em ondas, e que à medida que as vacinas forem sendo produzidas devem ser encaminhadas às áreas de risco, evitando a proliferação do vírus.

Rubén ainda informou que a OMS deve coordenar esforços entre laboratórios públicos e privados para que países e comunidades pobres também sejam favorecidos com as vacinas.

A OMS tem que estar envolvida na produção de vacinas, através da Organização Mundial do Comércio, para intervir no processo e garantir equidade na distribuição, pontuou.

Gripe Suína no Brasil:

Entenda a gripe suína:

Leia também:

Leia mais sobre: gripe suína


    Leia tudo sobre: gruipe suina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG