Evento de ciclistas 'Massa Crítica' já enfrentou problemas em várias partes do mundo

Movimento surgiu no início dos anos 90, em San Francisco, nos Estados Unidos, como forma de celebrar o uso de bicicletas

BBC Brasil |

selo

O evento de ciclistas Massa Crítica - que ganhou atenção internacional após o atropelamento múltiplo da última sexta-feira em Porto Alegre - já enfrentou problemas com motoristas, policiais e até batalhas legais em várias partes do mundo. O movimento surgiu no início dos anos 90, em San Francisco, nos Estados Unidos, como forma de celebrar o uso de bicicletas e marcar o espaço dos ciclistas nas ruas.

Logo, o evento começou a ser replicado em várias cidades do mundo, geralmente na última sexta-feira do mês. Os ciclistas costumam se encontrar sempre no mesmo horário e local e dali saem juntos para uma "pedalada". "Como não há uma organização formal ou roteiro planejado, os confrontos com motoristas acontecem regularmente", disse à BBC Brasil Chris Peck, coordenador de política da Organização Nacional de Ciclistas do Reino Unido (CTC, na sigla em inglês).

"A Massa Crítica ocupa com bicicletas o espaço normalmente tomado por carros, ônibus... Não há regras fixas sobre o uso de equipamentos de segurança ou sobre o quanto da rua pode ser ocupado pelas bicicletas. Os taxistas, por exemplo, não costumam gostar muito do evento, o que às vezes resulta em problemas."

Peck afirma, no entanto, que nunca um evento da Massa Crítica havia enfrentado um incidente tão grave quanto o da semana passada em Porto Alegre, quando dezenas de ciclistas foram atingidos por um motorista. "Aquilo foi terrível. Espero que o responsável seja punido."

Anarquia

A Massa Crítica é muitas vezes descrita como um movimento anárquico, já que não possui liderança, nem organização formal e os caminhos das "pedaladas" são quase sempre decididos de forma espontânea. Enfrentamentos entre policiais e ciclistas já aconteceram em várias partes do mundo.

Durante a Convenção Nacional Republicana de 2004, em Nova York, por exemplo, a polícia deteve 250 ciclistas alegando que o evento da Massa Crítica havia causado "grandes distúrbios" na cidade. Prisões sob alegações de obstrução de tráfego e desrespeito a policiais também aconteceram em diversas outras cidades, como Seattle, Chicago e Mineápolis, nos Estados Unidos, e Vilnius, na Lituânia.

Em 2008, em Nova York, um confronto entre um policial e um ciclista acabou indo parar na Justiça, que decidiu que o policial havia feito declarações falsas sobre a briga e deveria ser afastado de suas funções.

A Massa Crítica também lutou na Justiça britânica pelo direito de continuar realizando seus eventos sem dar avisos prévios à polícia sobre o percurso a ser percorrido pelos ciclistas, uma batalha vencida pelo movimento em 2008.

Divisão entre ciclistas

A CTC alega que a Massa Crítica divide os ciclistas. Enquanto uma parte acredita que o movimento ajuda a causa pelo uso de bicicletas como meio de transporte nas cidades, outra parte acha que o movimento acaba tornando a situação mais difícil para os ciclistas. "Nós não apoiamos a Massa Crítica", diz Chris Peck.

"Mas na maioria dos lugares, o movimento é uma celebração do uso de bicicletas e não algo agressivo." "O curioso é que em lugares onde a bicicleta é um meio de transporte estabelecido, como Amsterdã e Copenhague, não há Massa Crítica. O mesmo acontece em lugares onde não há gente suficiente interessada em usar a bicicleta como transporte. O movimento cresce mais onde há a vontade de se usar mais a bicicleta, mas a infraestrutura necessária não é completamente desenvolvida", afirma ele.

    Leia tudo sobre: ciclistaatropelamentomassa crítica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG