EUA indicam exame de papanicolau só a partir dos 21 anos

O Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras recomendou que o exame de papanicolau - que rastreia câncer de colo de útero - seja realizado a partir dos 21 anos. A frequência, que era muitas vezes anual nos Estados Unidos, também deve ser reduzida.

Agência Estado |

De acordo com os especialistas do colégio, a realização precoce e rotineira do procedimento pode levar a intervenções desnecessárias para investigar lesões e prejudicar futuras gestações.

A orientação, divulgada na semana passada, a mesma em que outro grupo de médicos norte-americanos sugeriu adiar o início a mamografia preventiva dos 40 para os 50 anos, colocou mais combustível no debate sobre acesso a exames e tratamentos nos EUA. O governo tenta reformar o sistema de saúde do país.

No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) recomenda o exame anual após o início da vida sexual e especialmente na faixa dos 25 aos 59 anos. Mas não há impedimento para médicos do sistema público de saúde ou do setor privado requisitarem exames antes dessa idade, se acharem necessário.

“Depende das particularidades de cada mulher. Se ela tem risco maior para esse tipo de câncer, como relações sexuais desprotegidas a partir dos 15 anos, o papanicolau tem de ser antecipado. Ninguém vai esperar seis anos”, afirma o ginecologista Edmund Baracat, professor titular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Para Paulo Levy Schivartche, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), discussões como a que ocorre em torno do papanicolau costumam surgir toda vez que um sistema de saúde está em debate. “É uma preparação para economizar recursos”, aponta o médico. Ele afirma que, a princípio, não há problema em realizar o exame a cada dois anos. “Doenças de colo de útero costumam demorar uma década para se estabelecer.” Mas pondera que não há qualquer contraindicação para o exame.

Segundo o Inca, as baixas condições socioeconômicas, o início precoce da atividade sexual, a multiplicidade de parceiros, o tabagismo, a higiene íntima inadequada e o uso prolongado de contraceptivos orais são os principais fatores de risco para o câncer de colo de útero. Estudos mostram que o vírus do papiloma humano (HPV) está presente em mais de 90% dos casos. A doença é a principal causa de morte por câncer em países em desenvolvimento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG