Se não for feita com cuidado, a expansão da área plantada para elevar a produção nacional de biocombustível até 2020 pode forçar criadores de gado a avançar sobre o Cerrado e a Amazônia. O movimento provocaria desmatamento e a consequente emissão de gases do efeito estufa que o País levaria mais de 200 anos para compensar.

É o que diz um estudo publicado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

O estudo simula cenários em que, para elevar a produção de biocombustíveis em 35 bilhões de litros até 2020, a área plantada com soja aumentaria de 191 mil km², em 2003, para até 285 mil km², em 2020. A de cana iria de 55 mil km² para 90 mil km². Se esse padrão de substituição se mantiver e a produção de carne continuar aumentando, serão necessários 3 milhões de km² de pastagens no Brasil em 2020.

O valor significaria 44% a mais do que em 2003, e parte dessa área possivelmente seria subtraída do Cerrado e da Amazônia. A devastação provocaria emissões de CO2 que só seriam compensadas por séculos de uso de biocombustível. O trabalho, de pesquisadores de instituições da Alemanha e da Organização das Nações Unidas (ONU), foi encabeçado pelo brasileiro David Lapola. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.