Pesquisa da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da USP (FCFRP) desenvolveu um kit que possibilita determinar com mais precisão a resistência das bactérias estafilococos aos antibióticos ß-lactâmicos. Dessa forma, o tratamento de infecções causadas por essas bactérias pode ser mais eficaz.

O teste foi capaz de detectar a resistência à oxacilina (tipo de antibiótico) e teve ainda custo inferior ao dos demais testes disponíveis.

A biomédica Izabel Cristina Palazzo, autora do trabalho, explica que depois que a bactéria é isolada e, depois, adicionadas aos discos que possuem várias concentrações de um mesmo antibiótico. Segundo Izabel, se a bactéria for resistente à oxacilina, o médico já saberá que não poderá utilizar antibiótico da classe, dos ß-lactâmicos. Também é comum que ela seja resistente a várias outras classes de antibióticos, o que a caracteriza como uma bactéria multirresistente.

Infecções causadas pelas bactérias do gênero Staphylococcus são muito comuns, pois elas são encontradas em várias regiões do corpo, fazendo parte da microbiota do organismo. “Em casos de rompimento de barreiras que protegem o organismo, como cortes na pele, introdução de dispositivos intravenosos ou utilização de sondas, colocação de próteses, essa bactéria pode invadir nosso organismo e provocar doença", diz Izabel. "São vários os tipos de infecções que ela provoca, tanto infecções de pele, de urina, até infecções mais sérias como pneumonia, meningite e osteomielite”. As informações são da Agência USP .

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.