Aluno alega que estava sendo perseguido, mas que não tinha intenção de matar

O estudante acusado de matar um professor de educação física dentro da Faculdade Isabella Hendrix, no bairro de Lourdes, região centro-sul de Belo Horizonte, foi ouvido durante cerca de quatro horas no Departamento de Investigações, em Belo Horizonte, após ser preso durante a madrugada. Segundo a polícia, Amilton Loyola Caires, de 23 anos, confessou que matou Kássio Vinicius Castro Gomes, de 39 anos. 

O aluno alegou que era perseguido pelo professor, com o qual já teria tido um atrito anteriormente. O depoimento de Amilton foi acompanhado por seu advogado, Bruno Mansur Baratz, que alegou aos policiais que o estudante é esquizofrênico e toma remédios controlados.

O professor foi morto a facadas no corredor da Faculdade Izabela Hendriz, na zona centro-sul da capital, no início da noite desta segunda-feira, pouco antes do começo das aulas. Amilton, preso em flagrante, vai ser encaminhado para o Centro de Remanejamento de Presos da Gameleira.

Jovem foi preso acusado de matar professor de faculdade em Belo Horizonte
AE
Jovem foi preso acusado de matar professor de faculdade em Belo Horizonte

A polícia vai investigar agora a real motivação do crime, já que a princípio o estudante teria matado o professor porque ficou descontente com uma nota dada por ele, e que acabou resultando na reprovação do aluno. Mas Amilton alegou nesta quarta-feira para a polícia que este não foi o motivo de sua ação e que não tinha intenção de matar.

"Ele nega que o motivo do crime tenha sido por causa de uma nota. Fala que, na verdade, o ato de fúria foi decorrente de um atrito que ele já tinha com esse professor que estaria fazendo perseguições diversas a ele", explicou o delegado da homicídio Breno Pardini. O delegado ainda afirmou que o estudante disse em depoimento que levou a faca usada no crime dentro da mochila, mas que queria apenas impor respeito e não matar o professor.

O advogado Nelson Leão, amigo da família de Amilton, conversou com o estudante que, segundo ele tem sofrimento mental e toma remédios controlados. "Ele é esquizofrênico e tem transtorno bipolar. Não pode ser responsabilizado judicialmente pelo crime. A família está desolada, principalmente a mãe dele, que se diz morta com a notícia da prisão do filho", revelou Leão.

Sepultamento

O corpo do professor de educação física Kássio Vinicius Castro Gomes, de 39 anos, vai ser velado a partir das seis horas da tarde desta quarta-feira (08/12) no Ginário Poliesportivo de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. O sepultamento vai ser realizado nesta quinta-feira (09/12), às duas horas da tarde, no Cemitério Parque da Cachoeira, também na cidade de Betim.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.