Pippa Lee retrata jornada de autoconhecimento - Brasil - iG" /

ESTREIA- Pippa Lee retrata jornada de autoconhecimento

SÃO PAULO (Reuters) - São poucos os diretores que conseguem reunir um elenco tão afinado para contar uma história tão simples. Em A vida íntima de Pippa Lee, a diretora Rebecca Miller teve o privilégio de dispor de astros como Robin Wright Penn, Alan Arkin, Keanu Reeves, Monica Bellucci, Julianne Moore e Winona Ryder para conquistar a empatia do espectador com o que se passa na tela. Sem estrelismos, cada um representa seu papel na medida e no tom exatos exigidos pelo denso, mas bem-humorado, romance de Rebecca Miller, que a própria autora adaptou para o cinema.

Reuters |

Para quem gosta de histórias de superação e, principalmente, de guinadas radicais na vida, o filme de Rebecca é uma pequena joia. Sua estreia está prevista para São Paulo, Rio, Porto Alegre, Brasília e Fortaleza.

Pippa Lee (Robin Wright Penn, de "Invasão de Domicílio") é uma mulher madura, ainda bonita, que se dedica em tempo integral ao marido, o editor de livros Herb (Alan Arkin, de "Pequena Miss Sunshine"), 30 anos mais velho. Como ele passou por recentes problemas cardíacos, ela está sempre atenta, medindo sua pressão periodicamente e ministrando seus remédios. Ela cuidou também para que o marido abandonasse suas atividades diárias no escritório e passasse a trabalhar numa casa confortável, num ritmo menos intenso.

Durante um jantar para um grupo de amigos (sempre os mesmos), ela passa a questionar o modelo de vida que leva e busca nas memórias da infância, adolescência e fase adulta pistas para definir sua personalidade atual. Algo não vai bem, mas ela ainda não conseguiu identificar o que falta para completar sua vida.

A vida de Pippa não foi muito certinha. Ao contrário, fugiu da casa dos pais (a mãe era viciada em antidepressivos) para viver com uma tia (que descobriu depois ser lésbica). Sumiu de novo para morar com hippies durante o período do "paz e amor", se embebedou e drogou até, finalmente, conhecer o editor Herb, numa agitada festa com intelectuais e artistas na casa dele.

As coisas entram nos eixos após o casamento, com Pippa anulando todo seu potencial criativo para viver em função do marido. É ela quem sempre dá conselhos e tenta, diplomaticamente, fazer com que os opostos se entendam. E é isso que ela não suporta mais fazer.

Simultaneamente, Pippa conhece um homem mais novo (Keanu Reeves, de "O Dia em que a Terra Parou"), que acabou de se separar da mulher e voltou a viver na casa dos pais, vizinhos de Pippa.

Há algo de misterioso nesse personagem, que tentou ser padre e mandou tatuar uma enorme imagem de Jesus Cristo no peito, de braços abertos. Ambos, que parecem tão disfuncionais, têm muita coisa em comum, que começarão a descobrir aos poucos.

E também aos poucos o espectador acompanhará a jornada de Pippa em busca do autoconhecimento, da superação, e talvez de uma nova oportunidade de vida. Mesmo não querendo ser mais diplomata, conseguirá, ao seu modo, que as peças se encaixem no enorme quebra-cabeça armado à sua volta.

(Por Luiz Vita, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG