Estilo vida saudável influencia funcionamento das células

Todo mundo já sabe que comer bem e fazer exercícios regularmente ajuda a prevenir doenças, entre as quais o câncer. Mas ninguém havia conseguido demonstrar, até agora, como isso funciona no nível molecular, dentro das células.

Agência Estado |

Um estudo publicado ontem nos EUA fornece, pela primeira vez, uma explicação genética para o “fenômeno”. A pesquisa mostra que levar um estilo de vida saudável não tem efeitos apenas fisiológicos, mas influencia até o funcionamento dos genes no núcleo das células.

Genes favoráveis ao câncer (oncogenes) são inibidos, enquanto genes “de segurança”, que combatem a evolução de tumores, são estimulados. O estudo foi feito a partir de uma comparação de biópsias de tecido saudável da próstata de 30 homens com tumores de baixo risco e idade média de 62 anos. Os pesquisadores analisaram o comportamento genético das células antes e depois de um “tratamento” baseado em mudança de hábitos, com alteração de dieta, prática de exercícios e redução de stress.

Constataram que a “expressão gênica” (intensidade com que certos genes funcionam) foi alterada para melhor em todos os participantes. Dezoito genes tiveram sua expressão aumentada e 388, reduzida, segundo os resultados apresentados na revista PNAS, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. Nenhum dos pacientes passou por cirurgia ou tomou qualquer tipo de medicamento. O período entre as biópsias foi de apenas três meses.

“É muito encorajador verificar que é possível alterar o funcionamento de centenas de genes em um período tão curto, apenas pela maneira de comer e viver”, disse o médico Dean Ornish, da Universidade da Califórnia, autor do estudo. “Você não pode mudar os seus genes, mas pode mudar a maneira como eles se expressam.”

Hábitos

Segundo o pesquisador, é provável que as mesmas mudanças verificadas na próstata estejam ocorrendo em outras células do organismo, o que explicaria a influência dos hábitos saudáveis na prevenção de vários tipos de câncer e outras doenças. Os 30 participantes consumiram 12% menos gordura por dia e fizeram uma média de 3,6 horas de exercício por semana. Ao fim dos três meses, todos os fatores de risco para doenças cardiovasculares (como colesterol e pressão) haviam diminuído. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG