São Paulo, 14 ago (EFE).- Sindicatos e partidos de esquerda do Brasil organizaram hoje uma jornada de protestos em várias cidades do país para exigir que o Governo decrete a redução da jornada de trabalho e impulsione a reforma agrária.

Milhares de militantes das principais organizações de trabalhadores do país, reforçados por integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST), desfilaram pelas principais avenidas de Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e outras grandes cidades.

Em São Paulo, acompanhados de um forte dispositivo policial, milhares de pessoas marcharam pacificamente e em um ambiente mais bem festivo pela avenida Paulista.

Em declarações à Agência Efe, Nivaldo Santana, vice-presidente da central de Trabalhadores do Brasil (CTB), uma das organizadoras do protesto, qualificou a jornada de hoje como "um dia nacional de luta".

No entanto, o personagem mais atacado pelos hinos e rimas dos manifestantes foi o presidente do Senado, José Sarney, envolvido em uma série de escândalos por corrupção e nepotismo.

Não foram poucas as organizações que exigiam inclusive o fechamento do Senado e que o Congresso passe a ser unicameral, reduzido à Câmara dos Deputados.

Leandro Recife, dirigente do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que tem um senador, qualificou o Senado de "o mais atrasado das instituições brasileiras" e apontou que Sarney, presidente do Brasil entre 1985 e 1990, é "o mais arcaico" da política do país.

Outro objeto de crítica foi o Tamiflu, o remédio usado para combater o vírus da gripe A.

Os movimentos esquerdistas exigem do Governo de Luiz Inácio Lula da Silva que quebre a patente do remédio.

"O Governo brasileiro deve tomar todas as medidas a seu alcance para defender a população trabalhadora e o povo, vítima da gripe A, e liberar o remédio para todos", disse à Efe Santana.

O sindicalista também se pronunciou a favor da reforma agrária e de "democratizar a posse da terra", alegando que "é estratégico para um país ter uma democracia profunda com geração de emprego e justiça social".

Na manifestação de São Paulo participaram os cerca de dois mil membros do MST que desde a segunda-feira estão acampados em um poliesportivo do centro da cidade para exigir a reforma agrária.

A jornada de protesto atraiu no Rio de Janeiro cerca de mil militantes esquerdistas.

Em Brasília, cerca de três mil militantes do MST marcharam pela Esplanada dos Ministérios. EFE ed-az/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.