Quando tinha apenas 7 anos, a escritora inglesa Hilary Mantel diz ter sofrido uma experiência terrível. Ela teria visto o demônio no jardim de casa. O evento a ajudou a escrever seu novo romance, Além da Escuridão, vencedor do Man Booker Price do ano passado, uma das mais importantes premiações da literatura inglesa.

AP

Hilary Mantel segura exemplar de
"Wolf Hall", ganhador do Man Booker

Em entrevista por e-mail ao Jornal da Tarde, a autora disse não ter certeza se foi realmente o demônio que ela viu. "Em minhas memórias, eu descrevo que, quando eu era uma garotinha, senti a presença de algo profundamente mau no jardim de casa. Foi uma experiência de muita intensidade. Me fez sentir muito gelada e doente. Eu não entendi o que aconteceu, e ainda não entendo, mas nunca me esqueci daquela sensação." Seu livro não é autobiográfico, embora o episódio arrepiante da infância a tenha inspirado de certa forma. Na opinião dela, seu texto é de humor negro.

"Além da Escuridão" (Bertrand Brasil, R$ 45) conta a história da médium Alison Hart. Junto com a companheira Colette, ela viaja por cidades do interior da Inglaterra fazendo consultas mediúnicas. A aparência sorridente de Alison esconde temores que ela não conta para seus clientes. É que o espírito Morris a persegue e atazana sua vida. Mas não só Morris a atrapalha. Com ele, uma horda de almas perdidas nunca a deixa em paz.

Para descrever tudo o que Morris passa, a autora conta que estudou tarô, reiki e fez sessões de regressão. "Para falar de Alison e seus amigos, eu precisava entender este universo. Então, visitei cartomantes. Já o tarô me deu uma ideia interessante de como as coisas funcionam." O humor negro fica por conta de brincadeiras que ela faz com espíritos de gente famosa, como o da Princesa Diana.

Mesmo não acreditando em vidas passadas, Hilary descreve o mundo dos espíritos como um lugar assustador. Mas há espíritos bons lá também, na opinião dela. "Todos, inclusive Alison, acabam conseguindo se livrar dos maus espíritos e atrair os que são úteis e gentis", diz. "O mais importante é que esta é uma obra de ficção."

Leia mais sobre: Hilary Mantel

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.