Especialistas dão dicas de como lidar com o estresse

Explosões de raiva por qualquer motivo, insônia, enxaqueca, depressão, taquicardia, dor de estômago. O estresse se manifesta de várias maneiras.

Agência Estado |

Os sintomas, segundo a psicóloga Marilda Lipp, fundadora do Centro Psicológico de Controle do Stress e autora de 17 livros a respeito, podem ser divididos em três categorias: físicos (náuseas, formigamento, enxaqueca, artrite, doenças cardiovasculares, diarreia, taquicardia, ranger de dentes, queda de cabelo, manchas de pele, entre outros), cognitivos (déficits de concentração e atenção, prejuízo de memória) e emocionais (medo, ansiedade e baixa estima).

Como prevenção, o importante é saber utilizar, quando necessário, estratégias de enfrentamento, que podem ser aprendidas em qualquer momento da vida. Uma maneira eficaz, recomenda a psicóloga, é adotar hábitos de vida adequados - como a prática de esportes, passatempos, leitura, o autocuidado - e, acima de tudo, cultivar bons pensamentos. "Quando algo inevitável ocorrer em sua vida, tente dar a interpretação mais otimista possível. Não se recrimine por erros cometidos, nem fique agoniada com expectativas de que tudo vai dar errado. Mantenha sempre uma visão positiva e realista da vida, dos outros e de si própria. Esperar demais de qualquer um é, inevitavelmente, se expor a uma grande dose de decepção e estresse."

Em pequenas doses, o estresse melhora o desempenho e aumenta a produtividade. Porém, quando persiste e se torna crônico, pode ter efeitos devastadores para a saúde e o bem-estar. Segundo o neurologista Rodrigo Schultz, professor de neurologia da Universidade Santo Amaro (Unisa), em São Paulo, o estresse é sempre associado a coisas ruins, mas, na verdade, torna-se positivo ou negativo de acordo com a percepção de cada um. "Viver sob pressão é regra da vida moderna, e isso se aplica a crianças, jovens e adultos, principalmente na faixa dos 25 aos 40", diz ele, apontando algumas das preocupações frequentes hoje, como estudo, trabalho, dinheiro, saúde.

Gatilho

O gatilho do estresse é acionado quando a pessoa se defronta com uma situação de ameaça, seja ela objetiva ou subjetiva. "As glândulas suprarrenais são, então, encarregadas de fabricar os hormônios relacionados ao estresse: adrenalina, noradrenalina e cortisol", diz o neurologista. Com isso, pode ocorrer falta de ar, tensão muscular, taquicardia e aumento da pressão arterial e das taxas de colesterol.

Fazer algum tipo de atividade física ajuda, mas, segundo o médico, é preciso organizar as atividades, executando-as por ordem de urgência. "Não adianta começar alguma tarefa, deixá-la pela metade, começar outra e assim por diante. Daí o ditado: tudo a seu tempo. Também é fundamental se dedicar a um hobby ou passatempo", comenta.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG