Escolas de samba de SP lançam TVs na internet

As escolas de samba de São Paulo estão descobrindo na internet um meio de divulgar seu trabalho e suas conquistas sem precisar arcar com altos custos. A mais recente das apostas tecnológicas é a criação de programas de vídeo com entrevistas, debates e apresentação de ensaios.

Agência Estado |

A exemplo do que já ocorre com várias escolas do Rio de Janeiro, agremiações paulistas como Mancha Verde e Pérola Negra passaram a contar com uma TV própria para o carnaval deste ano, o que, segundo seus organizadores, vai ajudar a divulgar o cotidiano das escolas e atrair mais simpatizantes para as agremiações.

A TV Pérola Negra, que pode ser acessada pelo site da Pérola Negra e também pelo YouTube, apresenta programas quinzenais de dez minutos de duração, com um estilo definido pelo diretor de marketing da escola, Jairo Roizen, como "um telejornal mais descontraído". São entrevistas com celebridades, matérias sobre os eventos da escola, divulgação dos preparativos para os desfiles, as músicas do carnaval e os bastidores, entre outros assuntos. A ideia surgiu no fim do ano passado, durante as eliminatórias para a escolha do samba-enredo do carnaval deste ano, e o primeiro programa foi ao ar dia 29 de outubro. De lá para cá, a TV da escola se dedicou completamente à cobertura dos preparativos para o desfile deste ano. A apresentação da escola no Anhembi ganhará um programa especial com data ainda a ser definida.

Para apresentar os programas da TV Pérola Negra foi escolhida Fernanda Cataldi, do setor de Harmonia da escola. "O Jairo me escolheu porque eu já trabalho em TV (apresentadora do Canal São Paulo, da TVA) e porque sou cria da escola, minha tia é da diretoria e participo da preparação dos desfiles. Não ganho nada, faço só pelo amor à escola e acho a iniciativa ótima", diz Fernanda. Para o diretor de marketing, a iniciativa permite um contato mais forte com a comunidade e possibilita mais formas de divulgação da agremiação. "Às vezes, só utilizar fotos e textos não ficava legal", explica. Apesar do enfoque na comunidade, a escola espera também que a proposta atraia outros fãs de carnaval. Segundo Roizen, as transmissões não vão ficar restritas ao período anterior aos desfiles. "A ideia é produzir programas o ano todo", conta.

A Mancha Verde, escola que nasceu da torcida uniformizada palmeirense, transmite ao vivo, no endereço www.manchaverde.com.br e no site de TV interativa pela internet All TV, um programa semanal de duas horas mais voltado para futebol, às segundas-feiras, das 21 às 23 horas. "Nós tínhamos um programa pelo rádio. Os responsáveis pelo nosso site já falavam das possibilidades com a internet de banda larga, mas só criamos o canal depois, após a parceria com a All TV. A ideia era fazer o mesmo programa que no rádio, mas com imagens", conta Tarso Luiz Furtado Gouveia, um dos fundadores da torcida e hoje diretor de Harmonia da escola de samba e apresentador do programa.

O programa, que começou a ser exibido em maio do ano passado, é basicamente uma mesa-redonda em que diretores da torcida e da escola discutem temas relativos ao clube, ao time de futebol e à escola de samba. "Tentamos não ficar num tema só, pois queremos trazer toda a comunidade palmeirense, inclusive aqueles que moram no exterior e não têm acesso a essas notícias", conta Tarso. Em todos os programas há convidados, que vão de integrantes da escola de samba e até de outras escolas a dirigentes e atletas palmeirenses.

Por ser transmitido ao vivo, o programa tem como ponto forte a interatividade: "Temos duas comunidades no Orkut, um chat e usamos o MSN para receber mensagens e para que os internautas participem do debate", diz Tarso. Além da mesa-redonda, também são exibidas reportagens feitas pela assessoria da Mancha Verde. Tarso esclarece que o desfile deste ano não será transmitido ao vivo, mas ganhará um programa especial que será levado ao ar logo após o carnaval.

Por ora, as duas escolas estão satisfeitas com o potencial de divulgação de seus programas de TV pela internet. "Algumas pessoas já vêm procurar a escola depois de ver os programas e isso ajuda a fortalecer o contato com a comunidade", afirma Roizen. "Tem gente de todo mundo assistindo o programa. Ficamos sabendo de brasileiros na França, um grupo de cinco ou seis pessoas, que ficaram sabendo como fazer para desfilar na Mancha vendo o show e virão participar do nosso desfile no sambódromo", diz Tarso.

Voos mais altos

Praticamente todas as escolas de samba paulistanas têm vídeos na internet. A diferença é que os vídeos são apresentados nos próprios sites ou no YouTube, mas não há uma produção nos moldes de um programa de televisão. No Rio, o uso de programas de TV da própria escola é bem mais sofisticado. Na Mangueira, por exemplo, o internauta conta com um estoque maior de vídeos e precisa fazer uma assinatura para acessar o conteúdo exclusivo.

Mas as escolas de São Paulo já têm planos para voos mais altos. "Temos a ideia de produzir também conteúdo para a TV normal. Mas ainda é muito incipiente, só vamos planejar isso com calma depois do carnaval", diz Roizen. "Já fomos procurados e pensamos em levar o projeto para TV. Esse período ainda é sobrecarregado, mas depois do carnaval e das finais de campeonato vamos pensar em como adaptar o formato para a TV convencional", afirma Tarso.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG