Escola de Carlinhos Brown ensina música a presos espanhóis

Valencia (Espanha), 20 out (EFE).- Um grupo de estudantes da escola de música Pracatum, de Carlinhos Brown e situada no bairro do Candeal Pequeno, em Salvador, deu aula hoje a 24 jovens reclusos da prisão de Picassent, em Valencia, na Espanha, e mostraram a eles a possibilidade de mudar de vida através da música.

EFE |

A oficina, organizada pela direção da prisão e pela ONG Fundação pela Justiça, nasceu com a intenção de mostrar que se "pode ir em frente" e "ter uma vida digna" através da música.

Os jovens brasileiros, acompanhados de dois de seus professores, mostraram aos reclusos como fabricar instrumentos musicais a partir de elementos reciclados como papel, papelão e chapas de radiografias, que depois foram usadas em uma apresentação musical.

A Escola Pracatum funciona há 15 anos ensinando música para crianças carentes e para dar a elas "outra oportunidade e que possam mudar sua vida através da música", explicou aos reclusos uma das professoras.

Os 24 internos selecionados por suas professoras para participar da atividade construíram atabaques (utilizando pasta de papel e madeira) e maracas (a partir de garrafas de plástico, areia e pedras) supervisionados pelos jovens do Candeal.

As responsáveis pela educação dos presos afirmaram que a iniciativa foi bem recebida porque "foge da rotina habitual" e reconheceram que a temática musical "chamou muito a atenção deles porque todos conheciam Carlinhos Brown".

Elas destacaram que as propostas que têm trabalho manual são as que os jovens da prisão mais gostam, pois vêem nesse tipo de atividade uma oportunidade para sair da cela e voltar a ver colegas do centro de detenção.

Embora reconheçam que uma oficina de apenas um dia e de forma isolada não seja muito, as professoras acreditam que qualquer atividade "será muito boa" para os jovens presos em Picassent.

O diretor-gerente da Fundação pela Justiça, Raúl Celda, explicou que o objetivo é poder transmitir aos presos os valores que mudaram a vida de muitos jovens da favela do Candeal e disse que sua entidade organizar várias atividades no centro.

Entre elas, Celda destacou a projeção de vários filmes do 3º Festival Internacional de Cinema, Paz e Direitos Humanos de Valencia, que pretende aproximar os reclusos de um cinema "mais comprometido" e dar a eles a possibilidade de refletir a respeito com uma conversa após a exibição. EFE cdg/wr/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG