Escândalo Renan completa hoje um ano, sem punições

Passado exatamente um ano do escândalo envolvendo uma amante e o lobista de uma grande empreiteira, o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) livrou-se de seis representações - cinco arquivadas e uma nunca levada ao Conselho de Ética. O inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em agosto, que tramita em segredo de Justiça, ainda não teve resultados práticos.

Agência Estado |

A denúncia foi feita em 25 de maio de 2007 pela revista Veja, que informava a existência de contas pessoais do cacique alagoano - então um político influente, com acesso fácil ao Palácio do Planalto - pagas por um lobista da empresa Mendes Júnior. Até a pensão de uma filha fora do casamento, com a jornalista Mônica Veloso, seria custeada pelo amigo. O senador negou, mas a artilharia se seguiu nos meses seguintes, após a confirmação de tudo por Mônica.

Ao todo, Renan virou alvo de seis acusações: 1) ter contas pagas pela Mendes Júnior; 2) atuar em favor da Schincariol na Receita Federal e no INSS; 3) uso de laranjas na compra de duas rádios e um jornal; 4) arrecadação em ministérios do PMDB; 5) espionagem de dois senadores da oposição em Goiás; 6) autoria de emenda que destinou R$ 280 mil à empresa fantasma de ex-assessor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais sobre: Renan Calheiros

    Leia tudo sobre: renan calheiros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG