Erro de pilotos precipitou acidente com Learjet, diz Instituto de Criminalística

SÃO PAULO - A queda do Learjet 35 da Real Táxi Aéreo, ocorrida em 4 de novembro de 2007, após decolagem frustrada do Campo de Marte, na zona norte de São Paulo, teve como fator determinante um descuido dos pilotos Paulo Roberto Montezuma Firmino, de 39 anos, e Alberto Soares Júnior, de 24. A conclusão consta do relatório final do acidente elaborado pelo Núcleo de Engenharia do Instituto de Criminalística (IC).

Agência Estado |

A tragédia deixou oito mortos - dois tripulantes e seis moradores de uma casa vizinha ao aeroporto.

Durante os preparativos para o voo, o comandante Firmino permaneceu do lado de fora da aeronave, transmitindo orientações via rádio. O copiloto Soares Júnior realizava sozinho os procedimentos de cabine e não há registros de que os pilotos tenham feito a leitura obrigatória do check list da aeronave.

Durante a corrida do jato na pista, já em alta velocidade, é que o comandante suspeitou que havia algum problema. O Learjet puxava forte para a direita. Assim que as rodas saíram do chão, Firmino se deu conta de que a assimetria era provocada por um desbalanceamento de combustível.

Como o abastecimento é feito pelas pontas das asas, deve-se acionar as bombas que transferem o combustível para os demais reservatórios para corrigir um eventual desbalanceamento. Entretanto, acredita-se que o copiloto, ainda em fase de instrução, tenha acionado o sistema sem que houvesse problema.

Assim, com a asa direita cheia de combustível, o centro de gravidade do avião ficou deslocado. Ao perceber o desbalanceamento, o comandante pediu ao copiloto que corrigisse o problema, mas não houve tempo. O Learjet caiu sobre casas, segundos após a decolagem. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia também:

Leia mais sobre: acidente aéreo

    Leia tudo sobre: acidente aéreo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG