Por Fernando Exman e Tim Hepher RECIFE/PARIS (Reuters) - Mais quatro corpos foram encontrados pelas equipes de resgate que trabalham nas buscas pelo Airbus A330 que desapareceu no domingo passado quando fazia o voo AF 447 da Air France com 228 pessoas a bordo. Agora, já são seis os corpos localizados.

A Marinha informou ter encontrado mais três corpos neste domingo e a França disse que um helicóptero operando de uma de suas fragatas navais achou outro corpo do pior desastre aéreo desde 2001.

Investigadores estão considerando a possibilidade de os sensores de velocidade do A330 terem congelado, e a Air France informou no final do sábado que está acelerando a substituição desses componentes em todos os aviões Airbus de sua frota que fazem voos de longa duração.

"Após intensa atividade noturna, mais três corpos foram localizados nesta madrugada", disse neste domingo o capitão Giucemar Tabosa Cardoso, da assessoria de imprensa da Marinha.

Segundo ele, os três corpos foram transferidos para a fragata Constituição, que já levava os dois cadáveres do sexo masculino encontrados no sábado.

A fragata teve de fazer um retorno para buscar os outros três corpos resgatados pelas equipes brasileiras e, por isso, só chegará a Fernando de Noronha na segunda-feira. Lá, os corpos passarão por uma catalogação inicial e depois serão transportados para o Recife para a identificação. Inicialmente, os dois primeiros corpos encontrados chegariam ao Recife no domingo.

"Não há ainda uma previsão de quando esses corpos chegarão ao Recife", disse o assessor da Marinha.

O Instituto Médico Legal (IML) do Recife já se prepara para receber os corpos. A polícia isolou as ruas de acesso ao edifício do IML para evitar tumultos no local.

Segundo a assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB) e da Aeronáutica, outros corpos estão sendo avistados pelos navios e deverão ser recolhidos nas próximas horas. No início da noite, um novo balanço deve ser divulgado.

"Centenas de itens estão sendo localizados e estão sendo armazenados a fim de serem dados os devidos destinos a todo esse material", disse a jornalistas o tenente-coronel Henry Munhoz, da assessoria de imprensa da FAB.

De acordo com o assessor da Marinha, a fragata reportou "que estaria navegando em um mar de destroços".

Munhoz destacou que a FAB e a Marinha deixarão de divulgar detalhes sobre os objetos que estão sendo recolhidos dos passageiros da aeronave, que desapareceu sobre o Oceano Atlântico depois de decolar do Rio de Janeiro rumo a Paris.

"Pegamos, relacionamos todo esse material e apresentamos aos familiares. Se eles desejarem, eles comunicam à imprensa o que foi localizado", disse o assessor da FAB. "O que a gente não quer é criar uma tensão maior e um sofrimento maior a essas famílias que estão apreensivas."

Os corpos e os destroços estão sendo recolhidos por botes ou por içamento. De acordo com a FAB, a análise dos pedaços do avião será responsabilidade dos franceses.

"Os destroços da aeronave estarão à disposição das autoridades francesas aqui em Recife para o fim que eles acharem melhor para esses itens", comentou Munhoz.

A previsão do tempo para este domingo em toda a região das buscas é desfavorável para o cumprimento das missões das aeronaves, devido à redução de visibilidade e às formações meteorológicas.

Além dos cinco navios da Marinha do Brasil que se encontram na região, as buscas passaram a contar no domingo com a fragata Ventose, da Marinha francesa. No ar, as buscas são feitas com 12 aeronaves brasileiras e duas da França.

O voo AF 447 tinha 216 passageiros de 32 nacionalidades, incluindo sete crianças e um bebê. Segundo a Air France, 61 eram franceses, 58 brasileiros e 26 alemães. Dos 12 tripulantes, um era brasileiro e os demais franceses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.