EPE reduz previsão de crescimento no consumo de energia

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A crise econômica mundial fez a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), órgão ligado ao Ministério de Minas e Energia, reduzir a previsão de consumo de energia no Brasil para 2009 de 4,8 por cento para 1,2 por cento. Isso significaria consumo de 397,4 mil gigawatts, contra os 411,6 mil gigawatts da previsão anterior.

Reuters |

"A diferença se concentra no consumo industrial", disse a EPE em nota.

A empresa levou em conta uma redução na previsão no crescimento do Produto Interno Bruto de 4 para 2 por cento.

Segundo as novas estimativas, o crescimento do consumo industrial de energia saiu de uma alta de 5,1 por cento anteriormente prevista para queda de 2,1 por cento.

Já o consumo residencial teve leve queda nas previsões, de 4,5 para 4,1 por cento, enquanto o segmento comercial e de serviços passou de 4,5 para 4,2 por cento.

Para os próximos cinco anos, a EPE prevê crescimento anual do PIB de 4,3 por cento, contra os 4,9 por cento previstos antes, o que levou também à revisão do consumo de energia nos próximos cinco anos.

"Além da consideração dos efeitos da crise econômica, as novas projeções levam em conta as alterações estruturais no consumo de energia que vêm sendo observadas nos últimos anos...além de novos cronogramas de integração de grandes cargas de projetos industriais e a revisão do crescimento da população anunciada pelo IBGE", informou a EPE em nota.

Para 2010, a EPE prevê alta de 6 por cento no consumo de energia, contra os 5,1 por cento previstos anteriormente. Em 2011 a estimativa é de alta de 5 por cento, ante 4,8 por cento; em 2012 o crescimento seria de 4,7 por cento em vez de 4,6 por cento; e para 2013 a nova previsão é de 4,5 por cento, contra 4,8 por cento.

(Por Denise Luna)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG