Enxerto de pele ajuda a diminuir pressão arterial

Pesquisadores dos Estados Unidos e da Alemanha criaram um enxerto de pele capaz de reduzir a pressão arterial. Testada em camundongos, a técnica foi capaz de reduzir a pressão sanguínea dos animais e impediu que os roedores alimentados com uma dieta rica em sal desenvolvessem pressão alta.

Agência Estado |

O trabalho está descrito no periódico "Proceedings of the National Academy of Sciences".

A descoberta abre caminho para tratamentos mais simples e eficazes contra a pressão alta, que podem eliminar a necessidade de o paciente tomar vários remédios. A doença afeta uma em cada cinco pessoas e suas complicações podem causar enfarte e acidente vascular cerebral (AVC).

O enxerto foi criado usando um material equivalente à pele humana - o HSE -, obtido com base em uma matriz de colágeno, preenchida com células de tecido conjuntivo e recoberta com células de pele humana. Para o estudo, as células foram modificadas com a introdução de um gene extraído do músculo cardíaco. Esse gene produz uma substância - o peptídeo natriurético atrial, ou ANP - que naturalmente reduz a pressão.

Além de obter células de pele capazes de liberar ANP no organismo, os pesquisadores conseguiram estimular a produção da substância, induzindo a geração de quantidades maiores, por meio da aplicação, sobre o local do enxerto, de colchicina, um remédio normalmente usado no tratamento de gota. "A colchicina garante que um número maior de células produzirá o ANP", diz um dos autores do trabalho, Jonathan Vogel, do Departamento de Dermatologia do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos.

Vogel explica que, caso a técnica chegue a ser adotada em humanos, um creme de colchicina, aplicado sobre o enxerto, poderia ser utilizado para controlar a quantidade de ANP liberada pelas células. "Também não seria preciso usar drogas contra a rejeição do tecido enxertado", diz ele. "As células usadas seriam do próprio paciente, e os genes inseridos também são genes humanos comuns, o que não produziria uma resposta imunológica."

Riscos

Vogel diz que é improvável que as células do enxerto venham a, por exemplo, se espalhar pelo restante da pele. "Isso só aconteceria se o novo gene trouxesse uma grande vantagem de crescimento às células, mas nossos estudos não indicam que o ANP dê esse tipo de vantagem", afirma. E, embora reconhecendo que o uso de vírus para modificar as células do enxerto possa abrir caminho para o desenvolvimento de tumores, o pesquisador diz que essa "probabilidade é muito baixa". "Uma vantagem da terapia gênica por meio da pele é ser relativamente fácil a remoção dos enxertos se houver algum efeito adverso", acrescenta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG