Vítima ainda sente fortes dores e está com medo de sair de casa, diz mãe

selo

Entidades de direitos humanos ofereceram advogado e tratamento psicológico ao estudante de 19 anos que foi baleado na barriga no Parque Garota de Ipanema, no Arpoador, na zona sul do Rio de Janeiro, após a Parada do Orgulho Gay de Copacabana, na noite de domingo. "A família está avaliando o que fazer. Nossa preocupação agora é com ele, que ainda sente dores e está com medo de sair de casa", disse nesta terça-feira a mãe da vítima.

O jovem acusa três homens vestidos com uma farda do Exército pela agressão. Segundo ele, os militares agrediram fisicamente e verbalmente um grupo de 15 jovens que invadiram o parque para namorar. Em nota, o Comando Militar do Leste negou a agressão.

O caso está sendo investigado pela 14ª Delegacia de Polícia do Leblon. Na quinta-feira, o Exército deve apresentar no distrito policial todos os militares que estavam de plantão na noite de ontem. Dos 30 que trabalham no local, apenas três usam armas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.