As escolas particulares de ensino fundamental e médio de São Paulo terão um sistema próprio de avaliação de desempenho em contrapartida ao modelo adotado pelo Ministério da Educação. O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp) firmou convênio com o Instituto de Avaliação e Desenvolvimento Educacional (Inade) para medir a eficiência das escolas associadas.

De acordo com o presidente do Sieeesp, José Augusto de Mattos Lourenço, a entidade não concorda com os critérios de avaliação usados pelo Ministério. "Alunos que preenchem a prova só com o nome recebem nota zero. Mas que avaliação é essa?". Para Lourenço, o método seria mais eficaz se a nota obtida na avaliação constasse do currículo escolar do aluno, o que não ocorre.

Segundo ele, a metodologia a ser aplicada pelo Inade combina dados de pesquisa e tecnologia para avaliar a efetividade do currículo. "Como os métodos serão os mesmos usados nas avaliações oficiais, a escola terá um instrumento para comparar com o sistema padrão". O sistema desenvolvido pelo Inade foi apresentado hoje a dirigentes de instituições de ensino privado da região de Sorocaba (SP). A diretora técnica do Inade Regina Cançado disse que a metodologia foi desenvolvida para avaliar turmas de alunos através da análise de variáveis que influenciam o aprendizado. "Cada escola receberá um relatório, mas não será um ranking", disse. "A preocupação será fornecer elementos para melhorar a qualidade do ensino". O ensino fundamental e médio começa a ser avaliado este ano em 604 escolas, segundo o Inade. O número das escolas de São Paulo que serão avaliadas ainda não está fechado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.