Enquete interna constrange servidores da Câmara

Uma radiografia moral, ideológica e da saúde encomendada pela direção da Câmara dos Deputados tem deixado os servidores da Casa embaraçados. Parte dos entrevistados na pesquisa pela internet estranha questionamentos sobre convicção política e se constrange com perguntas sobre eventual dificuldade sexual incluídos no formulário.

Agência Estado |

A pesquisa, amparada pelo Departamento Médico da Casa, foi encaminhada por e-mail aos 3.490 servidores do quadro efetivo da Câmara e aborda a questão da saúde com um conceito mais abrangente, além das clássicas perguntas sobre histórico familiar e hábitos alimentares.

Os médicos que coordenam a pesquisa querem saber, por exemplo, se o servidor teve um simples nariz congestionado nos últimos 12 meses, passando por sintomas de doenças cardíacas, até eventuais problemas causados por ansiedade e depressão. O servidor é chamado a responder sobre dificuldade para dormir, se tem se "sentido infeliz e sem prazer", se a vida parece "completamente perdida", se desejou "que estivesse morto(a)" e se o "interesse sexual diminuiu".

A eventual dificuldade sexual volta em outro ponto da pesquisa que aborda questões pessoais e sociais. O servidor deve responder se cometeu "pequena violação da lei", se foi preso, se mudou de "convicções políticas" e de "crença religiosa", se fez ou desfez amizades, e se começou novo relacionamento amoroso. A pesquisa questiona, com uma lista de 25 itens, se o servidor faz uso de drogas lícitas e ilícitas, bebida alcoólica, tranqüilizantes, se pratica jogos de azar, atividade física e de lazer e se faz psicoterapia para buscar aliviar o estresse do dia-a-dia.

Um servidor que não quis ter seu nome publicado disse que a natureza dos dados é muito invasiva. Ele preferiu não responder à pesquisa. Outro estranhou o interesse em mudança de ideologia. A participação e a identificação do funcionário são facultativas e o prazo para envio das respostas é até 3 de outubro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG