Enfraquecido, Enem começa hoje

O que era a promessa de acabar com o vestibular no País foi parar nas salas da Polícia Federal. O vazamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em outubro, denunciado às vésperas da sua realização pelo jornal O Estado de S.

Agência Estado |

Paulo, enfraqueceu uma prova inovadora que seria feita por 4,1 milhões de estudantes. Apesar da mudança radical no esquema de segurança, os mesmos jovens chegam hoje e amanhã para fazer o Enem enumerando os prejuízos do adiamento.

A prova começa neste sábado às 13 horas, com questões de ciências da natureza e ciências humanas. Amanhã, serão as áreas de linguagem, matemática e redação. São 180 questões nos dois dias, que servirão como seleção para 25 universidades federais - elas deixaram de fazer vestibulares para usar apenas o Enem. Em São Paulo, no entanto, o incidente fez com que os dois exames mais importantes, da USP e da Unicamp, desistissem de computar a nota da prova do Ministério da Educação. O Enem significava 20% da primeira fase nas duas instituições.

Reynaldo Fernandes, presidente do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep), órgão do MEC responsável pelo Enem, acredita que as faltas devem continuar como em outros anos (por volta de 20%). "Não vai acabar com o Enem porque a USP não entrou." Para ele, muitos alunos estão interessados em conseguir as bolsas do ProUni cuja seleção é também pelo Enem.

O Enem é uma prova não conteudista, que cobra competências e habilidades. Não é dividido em disciplinas e, sim em grandes áreas do conhecimento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG