Empresas alimentícias vão restringir publicidade a crianças

SÃO PAULO - A partir desta terça-feira aumentam as restrições à publicidade brasileira dirigida ao público infanto-juvenil. A Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), em parceria com a Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), firmou uma espécie de código de conduta com o apoio de 24 companhias, entre elas Coca-Cola, Unilever, Nestlé, Sadia, Garoto e Batavo. O prazo para o cumprimento das medidas é 31 de dezembro deste ano.

Redação |

O centro do acordo, cuja adesão foi voluntária, é que as empresas deixarão de fazer publicidade diretamente para crianças e pré-adolescentes, e os pais passarão a ser o público-alvo. A decisão de compra ficará mais nas mãos dos adultos, apesar do conhecido poder de convencimento dos pequenos consumidores.

A Abia usou diversos estudos científicos para convencer os associados à entidade e à ABA da importância de criar restrições à publicidade de alimentos e bebidas para as crianças. Países como Estados Unidos, Canadá e parte da União Europeia (UE) já criaram regras para tirar o público infantil do foco das empresas e agências de publicidade. Algumas multinacionais, como Nestlé, Unilever e a Kraft Foods, já adotavam no Brasil uma linha muito parecida de comunicação, de acordo com o código de conduta das matrizes.

Além de vetar a comunicação feita a crianças e pré-adolescentes, o anúncio de hoje regulamenta uma prática que já vinha sendo adotada por multinacionais: dar destaque às características nutricionais do produto.

"A publicidade é fator de influência no consumo excessivo de alimentos não saudáveis, bem como nos crescentes índices de obesidade infantil", afirmou Isabella Henriques, do Projeto Criança e Consumo, em comunicado.

"Até os 12 anos de idade, a criança ainda está em processo de formação física e psíquica, por isso não compreende plenamente a linguagem persuasiva da comunicação mercadológica", explicou.

A empresas estão comprometidas a não fazer, para crianças abaixo de 12 anos, publicidade de alimentos ou bebidas, com exceção de produtos cujo perfil nutricional atenda a critérios específicos baseados em evidências científicas, segundo nota da Associação Brasileira de Indústrias de Alimentação.

Os critérios para que o acordo entre as empresas seja cumprido serão adotados individualmente pelas companhias signatárias do acordo.

Ainda segundo o comunicado da Abia, as limitações são para inserções publicitárias em televisão, rádio, mídia impressa ou internet que tenham 50% ou mais de audiência constituída por crianças de menos de 12 anos.

As empresas também não devem fazer publicidade nas escolas, exceto quando acordado ou solicitado pela administração da escola para propósitos educacionais ou esportivos.

Além de não fazer comerciais destinados às crianças, o acordo também prevê a promoção de práticas saudáveis na publicidade.

A Abia e a Aba afirmaram que tentarão fazer mais empresas assinarem o compromisso e que fará esforços para fazer dessas práticas o padrão geral da indústria alimentícia no Brasil.

Empresas

Em nota, a empresa Kellogg Brasil afirmou que já aplica o Critério Global de Nutrição desenvolvido pela companhia, baseado em uma extensa revisão de relatórios científico, e respeitando os critérios estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A Coca-Cola, em comunicado, disse que já havia anunciado compromisso individualmente em 2008, em alinhamento com anúncio global da The Coca-Cola Company. A Coca-Cola Brasil acredita que esta é a postura de empresas responsáveis. Por isto, apoiou ativamente o desenvolvimento destas diretrizes relacionadas à publicidade para crianças e estamos felizes que a indústria de bebidas e alimentos brasileira tenha decidido adotá-las", explicou Marco Simões, vice-presidente de Comunicação e Sustentabilidade da Coca-Cola Brasil.

Já a PepsiCo disse que o acordo está em linha com iniciativas aplicadas na União Européia e países como Canadá e Estados Unidos, mas destaca-se no Brasil por abranger o maior número de empresas participantes em relação aos compromissos globais. A PepsiCo defende o marketing responsável em todos os seus mercados de atuação e isso inclui o marketing dirigido a crianças, informou a empresa em nota.

Entre as empresas que assinaram o acordo, estão a PepsiCo, a AmBev, Batavo, Bobs, Burger King, Cadbury, Coca-Cola, Danone, Elegê, Ferrero, Garoto, General Mills, Grupo Bimbo,  Kelloggs, Kraft Foods, Mars, McDonalds, Nestlé, Parmalat, Perdigão, Sadia, Schincariol e Unilever.

* Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre: publicidade

    Leia tudo sobre: alimentaçãocriançapublicidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG