Emidio desiste de pré-candidatura ao governo de São Paulo

O prefeito de Osasco, Emidio de Souza (PT), anuncia no final da tarde desta sexta-feira a retirada de sua pré-candidatura ao governo de São Paulo.

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Visto inicialmente como um azarão, Emidio conseguiu angariar apoios importantes como os do deputado cassado José Dirceu, do senador Aloizio Mercadante, além de 15 dos 19 deputados do PT paulista, e ameaçou levar o partido para a disputa de prévias no maior colégio eleitoral o país. A desistência do prefeito ajuda a pavimentar o caminho para a candidatura de Mercadante ao governo paulista.

"Felizmente, pertenço a um partido que tem quadros de muita qualidade política, técnica e moral. Companheiros que serão capazes de defender com competência nossos projetos para melhorar São Paulo. Atuarei na campanha da ministra Dilma e do nosso candidato a governador com determinação e entusiasmo. Estarei nos palanques pedindo votos para quem defende a continuidade e o avanço do projeto iniciado pelo presidente Lula", diz trecho da carta a ser lida por Emídio em uma plenária marcada para o final da tarde de sexta-feira no Sindicato dos Engenheiros de São Paulo.

No texto, Emidio faz uma série de ataques à gestão de José Serra (PSDB) no governo de São Paulo, alega que todos os petistas devem priorizar a eleição de Dilma Rousseff para a presidência e justifica que o prazo para desincompatibilização, 2 de abril, dificulta a montagem de alianças internas que viabilizassem sua candidatura.

Leia a íntegra da carta:

Dilma e PT pra sintonizar São Paulo com o Brasil


No dia 03 de outubro, os brasileiros decidirão nas urnas o futuro do país. Na eleição presidencial a escolha será, essencialmente, entre dois projetos políticos bem distintos. O projeto liderado por Dilma Rousseff representa a possibilidade de darmos continuidade e avançar o caminho de realizações e grandes transformações produzidas pelo governo federal sob a competente gestão do presidente Lula.


A candidata do PT defenderá  um Brasil cada vez mais democrático e socialmente justo, que se desenvolve em ritmo acelerado e em harmonia com o meio ambiente. O candidato do PSDB representará o projeto conservador, neoliberal e privatista que, no passado recente, produziu no país estagnação econômica, aumento da exclusão social, desemprego e submissão internacional.


Os oito anos de governo do presidente Lula representam um avanço sem precedentes na história do Brasil. No plano macroeconômico, o país conquistou estabilidade, crescimento acelerado e sustentado, o que propiciou superar bem a crise financeira mundial, se destacando internacionalmente. A inflação está estabilizada, as contas públicas equilibradas e o PIB de 2010 será superior a 5%.


Obras de infra-estrutura do PAC resolvem entraves estruturais, propiciando condições adequadas para mais desenvolvimento econômico com melhor qualidade de vida. Projetos como Minha Casa, Minha Vida, ProUni e Bolsa Família geram empregos, distribuem renda, incluem socialmente e garantem um futuro mais justo para todos os brasileiros. 


Sempre acreditei e defendi no PT que a melhor estratégia em 2010 é priorizar o projeto nacional e a eleição da companheira Dilma presidente. Neste contexto, cada estado da Nação tem um papel importante a desempenhar, compondo amplas alianças que garantam um forte palanque para nossa candidata apresentar as propostas que potencializarão o atual desenvolvimento nacional.


O Estado de São Paulo, em particular, terá um papel chave na disputa. Os demo-tucanos, com base no controle da máquina estadual e da maioria das prefeituras, estão convencidos que vão manter o controle do Palácio dos Bandeirantes e abrir aqui uma ampla vantagem de votos para seu candidato a presidente. 


Entretanto, acredito que temos todas as condições para reverter a situação, a partir do momento em que mostrarmos a ineficiência do PSDB à frente do Estado de São Paulo. Para vencermos e governar, pela primeira vez, o mais importante estado do país, continuo a defender o diálogo, sem vetos, com todas as forças partidárias comprometidas com o governo do presidente Lula. A meta é compor uma ampla aliança de oposição ao desgoverno tucano.


Dirigentes petistas e de outros partidos, prefeitos, deputados, vereadores, militantes e antigos companheiros de outras jornadas, refletindo sobre esse momento histórico, entenderam que meu nome deveria ser colocado à disposição do partido para a disputa do governo estadual. Com alegria e entusiasmo, recebi o apoio de 15 dos 19 deputados estaduais que compõem a bancada do PT na Assembléia Legislativa, de dezenas de deputados federais, prefeitos, vereadores e valorosos militantes das mais variadas lutas sociais e sindicais.


Motivado pelos três mandatos como vereador, dois como deputado estadual e os quase seis anos como prefeito de Osasco, a quinta maior cidade do Estado, aceitei o desafio de conhecer São Paulo em profundidade e propor alternativas para melhorar a qualidade de vida de todos os paulistas, em especial dos menos favorecidos.


Orgulho-me de fazer parte do grupo de 64 prefeitos petistas em São Paulo, que dignificam a gestão pública e consolidam programas criativos e inovadores que superam velhos problemas sociais. Foi assim que Osasco, em quatro anos, trocou a 18ª pela 14ª posição no ranking do PIB das cidades brasileiras. Programas de inclusão social e distribuição de renda, avanços significativos na educação e em outras áreas sociais, além de obras viárias e contra as enchentes, projetam hoje Osasco como um centro administrativo e econômico dinâmico e inovador.


Infelizmente, o Estado de São Paulo que vi em diversas viagens é  bem diferente daquele mostrado na publicidade oficial. Se, por um lado, encontramos centros de produção de conhecimento e alta tecnologia, por outro, temos que conviver com imensos bolsões de pobreza nas periferias das cidades médias e grandes. A insegurança não é mais um fato que incomoda apenas o morador da capital. Roubos de carga, assaltos a bancos, residências e propriedades rurais transformaram nosso interior em território de medo e desconfiança.


Na educação, a escola pública que um dia já foi motivo de orgulho, hoje se encontra desvalorizada, com professores desmotivados e mal remunerados. Os principais prejudicados são os alunos das famílias mais pobres, que não aprendem como deveriam, para ter garantida a oportunidade de um futuro melhor. 


Nos últimos 16 anos, os tucanos venderam praticamente todo o patrimônio público do Estado. CESP, CPFL, Eletropaulo, Comgás, Nossa Caixa, rodovias entregues às concessionárias e proliferação de pedágios. Tudo feito segundo um falso discurso de modernidade. A calamidade na educação, saúde e segurança pública, entre outras áreas, comprovam o fracasso de seguidas gestões do PSDB.


É chegada a hora da mudança em São Paulo. A tarefa das forças renovadoras deve ser, a um só tempo, constituir um palanque forte para a companheira Dilma e oferecer uma alternativa transformadora para São Paulo. Defendendo um projeto que esteja em sintonia com o caminho de sucesso que o presidente Lula imprimiu ao país e que terá continuidade e qualificação com a vitória da candidata do PT.


Apesar da minha crença na vitória do nosso projeto em São Paulo e do entusiasmo com que me apliquei nesta empreitada, a conjuntura política tem sua própria dinâmica e saber respeitá-la é prova de sabedoria e maturidade. Neste momento, a nossa tarefa deve ser arregimentar forças e definir um candidato que e expresse o desejo de mudança no estado. Mostrando para os paulistas que nós temos experiência, conhecimento e competência para fazer esta transformação.

Há  pouco mais de um ano, o povo de Osasco honrou-me com a reeleição para prefeito em primeiro turno. O que me leva a pesar com cautela as alternativas que se vislumbram. Por força da lei eleitoral, meu prazo para a desincompatibilização do cargo termina no dia 2 de abril. Por outro lado, as discussões nacionais, articuladas à composição de alianças e montagem do palanque estadual, exigem bem mais tempo do que seria necessário para eu cumprir esta data fatal.


Felizmente, pertenço a um partido que tem quadros de muita qualidade política, técnica e moral. Companheiros que serão capazes de defender com competência nossos projetos para melhorar São Paulo. Atuarei na campanha da ministra Dilma e do nosso candidato a governador com determinação e entusiasmo. Estarei nos palanques pedindo votos para quem defende a continuidade e o avanço do projeto iniciado pelo presidente Lula.


Agradeço a todos os que reconheceram em meu nome a capacidade para ser o portador da mensagem de mudança para São Paulo. A luta continua! Vamos agora nos organizar para apresentar e defender a candidatura presidencial de Dilma e preparar um programa de governo transformador para São Paulo. Caminharemos convictos para escrever, ao lado de outras forças políticas e sociais, nova e promissora etapa na história de nosso Estado.


Emidio de Souza

Prefeito de Osasco

    Leia tudo sobre: eleições 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG