Em visita ao País, Hillary tentará abrandar divergências

A secretária americana de Estado, Hillary Clinton, deve desembarcar em Brasília no próximo dia 3 com a missão de abrandar divergências acumuladas com o governo brasileiro na esfera internacional. A adoção de uma agenda mais construtiva entre Brasil e Estados Unidos estará assentada no lançamento formal da negociação de um acordo de cooperação econômica e na assinatura de quatro memorandos de entendimento na área política, entre os quais o que prevê ações conjuntas no Haiti e em Moçambique e a promoção da igualdade de gêneros.

Agência Estado |

Acertada preliminarmente, a data da visita ainda não foi anunciada oficialmente pelo Itamaraty e pelo Departamento de Estado e pode ser alterada. Uma vez confirmada, a vinda de Hillary Clinton sinalizará para uma possível visita ao Brasil do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, neste semestre. Esse compromisso ainda é mais incerto e depende dos próprios passos do governo brasileiro no conflito entre o Irã e as potências nucleares ocidentais para ser confirmado pela Casa Branca.

O acordo de cooperação econômica terá o objetivo de impulsionar e facilitar o comércio, por meio de redução das barreiras não-tarifárias e da burocracia nas trocas de bens e serviços, e de estimular investimentos, seja com base em projetos conjuntos como em um possível acordo de eliminação da bitributação. Essa cooperação estará longe de um acordo de livre comércio, impossibilitado pela participação do Brasil no Mercosul e pela reserva do governo brasileiro à liberalização de suas trocas com potências econômicas. A negociação entre o Itamaraty e a Representação dos Estados Unidos para o Comércio (USTR, na sigla em inglês), a rigor, já começou.

Haiti

Projeto anterior ao terremoto que arrasou o Haiti em 12 de janeiro passado, a cooperação técnica Brasil-EUA terá o objetivo inicial de formar mão de obra especializada para projetos produtivos e energéticos no país. A proposta está relacionada à promessa dos dois países de eliminar cotas e tarifas de importação para produtos têxteis haitianos e de instalar hidrelétricas e termelétricas, como meio de impulsionar a reconstrução e o desenvolvimento da nação caribenha.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG