Em três anos, governo diz que investiu 63% do previsto no PAC

Tido como uma das principais vitrines do governo federal, ministros se reuniram nesta quinta-feira, em Brasília, para apresentar o balanço de três anos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

iG São Paulo |

  • PAC 2 será grande reforma em centros urbanos, diz Lula
  • PAC: governo prevê leilão de Belo Monte até 12 de abril

    Segundo dados do governo, dos R$ 638 bilhões em investimentos que estavam previstos no PAC entre 2007 e 2010, R$ 403,8 bilhões foram investidos até agora, o equivalente a 63,3% do total. Esses recursos incluem verbas do orçamento federal, das estatais, do setor privado e financiamentos. De acordo com o balanço, as estatais já desembolsaram R$ 126,3 bilhões.

    O financiamento das pessoas físicas somaram R$ 137,5 bilhões, enquanto os investimentos do setor privado alcançaram R$ 88,8 bilhões. As verbas do orçamento da União desembolsadas para o PAC somaram R$ 35 bilhões. A contrapartida de Estados e municípios somou R$ 11,1 bilhões e, por fim, o financiamento ao setor público foi de R$ 5,1 bilhões.

    Agência Brasil
    Ministros de Edison Lobão, Guido Mantega, Dilma, Nelsom Jobim e Paulo Bernardo
    40,3% das obras concluídas

    Durante balanço, a ministra Dilma disse que 40,3% das ações previstas para serem concluídas até 2010 foram finalizadas. Esse percentual corresponde a investimentos no valor de R$ 256,9 bilhões, de um total de R$ 638 bilhões previstos.

    Em habitação e saneamento, foram gastos R$ 138,2 bilhões. As áreas de logística, de energia e social-urbana receberam investimentos de R$ 118,7 bilhões, no total. Desse montante, R$ 40,5 bilhões foram gastos em logística, dos quais R$ 27,7 bilhões foram aplicados em 4.916 quilômetros de rodovias.

    Na área de energia, o total investido chegou a R$ 72,4 bilhões. O setor que recebeu maior a parcela desses recursos foi o de exploração de campos de petróleo e gás natural (R$ 23,8 bilhões).

    Gastos do governo

    O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou que tanto os valores empenhados quanto os pagos pelo governo subiram ano a ano, de 2007 a 2009.

    Em 2007, o governo empenhou R$ 16 bilhões para o PAC. O valor subiu para R$ 17 bilhões no ano seguinte e, depois, para R$ 21,1 bilhões no ano passado. Em relação aos valores efetivamente pagos, o governo liberou R$ 7,3 bilhões em 2007, R$ 11,3 bilhões em 2008 e R$ 16,4 bilhões em 2009. "Desde o início do PAC, pagamos R$ 403,8 bilhões, o que significa 63,3% do total", afirmou.

    Já levantamento realizado pelo PSDB com dados do Sistema Interligado de Administração Financeira (Siafi), e divulgado no começo desta semana, aponta para situação diferente e mostra que a execução dos recursos do PAC está em queda desde 2007, quando o programa foi lançado. Em três anos, segundo a oposição, apenas 33% do PAC foi executado .

    Troca de farpas

    Nas últimas semanas, PT e PSDB trocaram algumas ofensas em torno do PAC. Para a oposição, ele não passa de uma peça de ficção. Já o governo dissemina a ideia de que os adversários vão acabar com o projeto se retornarem ao Palácio do Planalto.

    Na quarta-feira, a ministra Dilma Rousseff, candidata à presidência, voltou a defender o programa. "O PAC não é lançamento de pedra fundamental ou inauguração de placa. É a combinação de um esforço grande do governo brasileiro de tirar do papel obras que já deveriam ter sido feitas e não foram", afirmou Dilma.

    (*com informações das agências Estado e Brasil)

    Leia mais sobre: PAC

    • Leia tudo sobre: pac

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG