Os temporais que atingem a capital paulista diariamente desde dezembro atrasaram o cronograma das obras de ampliação da Marginal do Tietê. O terceiro trecho da nova pista expressa - a extensão exata é mantida em sigilo pela Desenvolvimento Rodoviário S.

A. (Dersa), empresa estadual responsável pela obra - deveria ter sido inaugurado no dia 14 de janeiro, mas o evento foi cancelado por causa da chuva.

A empresa não admite o atraso e afirma que a ampliação será entregue no dia 27 de março - exatamente uma semana antes de terminar o prazo para o governador José Serra (PSDB) deixar o cargo para possivelmente candidatar-se à Presidência da República.

Na Dersa e no próprio canteiro de obras, o clima é de correria. "Qualquer chuva atrapalha, mas tenho na cabeça que vou entregar tudo no dia 27 de março, é só nisso que penso", disse o diretor da Dersa, Paulo Viera de Souza. Para respeitar o prazo, ele brinca e diz que a meta agora é seguir os trabalhos de ampliação durante "28 horas por dia". Desde que as obras começaram, em julho de 2009, há máquinas e operários trabalhando até de madrugada - quando o tempo colabora.

"Começou a chover, tem de ir embora, não tem jeito", afirmou ontem um operário. "Às vezes, perdemos três, quatro horas de serviço." A escavação, segundo os funcionários das concessionárias, é a atividade mais prejudicada. "Toda essa terra vira barro", explicou o encarregado de um dos canteiros. "Assim não tem como os caminhões transportarem, porque eles podem atolar." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.