Em RR, 500 índios acompanham julgamento no STF

Cerca de 500 índios da Raposa Serra do Sol acompanharam com tranquilidade e em clima de vitória o julgamento sobre a demarcação da reserva, no Supremo Tribunal Federal (STF). Durante todo o dia, eles cantaram e dançaram na quadra de esportes da vila Surumu, a 230 quilômetros de Boa Vista, palco dos principais conflitos envolvendo a disputa pelo território com habitantes não-índios.

Agência Estado |

No local, exibiram faixas agradecendo aos ministros o placar folgado de antes do reinício do julgamento, de oito votos favoráveis à demarcação contínua das terras.

O número de participantes ficou bem abaixo dos 3,5 mil estimados pelo Conselho Indígena de Roraima (CIR). Problemas no transporte prejudicaram a mobilização, justificou o coordenador da entidade, Dionito José de Sousa. Segundo ele, os quase vinte mil índios da terra exigem a saída imediata dos não-índios que permanecem na reserva de 1,7 milhão de hectares. "Vamos ocupar as fazendas", afirmou.

Em menor número, os índios contrários à demarcação também assistiram à sessão da Corte, em uma televisão de um morador da vila. Não houve confrontos. Em Boa Vista, um grupo de apenas quarenta índios fez uma manifestação pacífica na principal praça da cidade.

Convencidos da derrota, os arrozeiros esperam que seja dado prazo para finalizar a colheita da safra, que só termina em maio. Além disso, o presidente da Associação dos Rizicultores do Estado, Nelson Itikawa, disse que o governo precisa pagar as indenizações antes de retirá-los da área. A Fundação Nacional do Índio (Funai) depositou em juízo os valores correspondentes às indenizações, mas os arrozeiros contestam.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG