BRASÍLIA - O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), divulgou nota à imprensa pedindo que o 2º Vice-Presidente da Câmara, que acumula o cargo de corregedor, deputado Edmar Moreira (DEM-MG), renuncie ao cargo. De acordo com o documento, as recentes declarações do parlamentar, defendendo a extinção do Conselho de Ética, e a reveleção de um castelo em nome de seu filho, na Zona da Mata Mineira, vão deixar em suspeição qualquer decisão tomada pelo corregedor.

"Somadas suas últimas atitudes às denúncias de contradição nas informações de sua declaração de bens, o Democratas considera, por outro lado, que quaisquer decisões, mesmo que corretas, tomadas pelo referido deputado, no exercício de suas funções [de corregedor] serão sempre eivadas de suspeição", diz o texto.

AE

Vista aérea do castelo construído em São João do Nepomuceno

Após o trecho, Maia recomenda a renúncia imediata de Edmar do cargo de 2º Vice-Presidente e diz que as notícias divulgadas pela imprensa, tanto sobre a não declaração do castelo à justiça eleitoral como seu patrimônio, quanto uma suposta dívida com o INSS de sua empresa de segurança com sede em São Paulo, vão ser levadas à Comissão de Ética do partido, que pode até mesmo pedir a expulsão do deputado da legenda.

"Com relação às denúncias divulgadas pela imprensa, o partido as remeterá imediatamente à sua Comissão de Ética, para que, o mais brevemente possível e concedido o amplo direito de defesa conforme ritos estabelecidos estatutariamente, seja tomada uma decisão final".

"Renunciar por quê?"

No final da manhã desta quinta-feira, o deputado Edmar Moreira disse que não pretende renúnciar da 2ª Vice-Presidência da Câmara. De acordo com ele, todas as suspeições que pesam sobre ele vão ser esclarecidas brevemente.

Leia mais sobre: deputados

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.